Acordo entre empresas de ônibus e motoristas de Goiânia afasta chance de greve

O sindicato das empresas concordou em ceder um reajuste de 3,75% nos salários e de 5% no ticket alimentação dos trabalhadores

Após várias rodadas de negociação, o sindicato das empresas de transporte e os motoristas de ônibus de Goiânia fecharam, nesta quinta-feira (12), um acordo que põe fim à ameaça de greve feita por parte da categoria. O Sindicato das Empresas de Transporte Público e Passageiros de Goiânia e Região Metropolitana (SET) concordou em ceder um reajuste de 3,75% nos salários e de 5% no ticket alimentação dos trabalhadores do transporte coletivo, proposta aceita por eles.

A audiência que selou acordo ocorreu na manhã desta quinta-feira, entre o SET e o Sindicato dos Trabalhadores no Transporte Coletivo Urbano de Goiânia e Região Metropolitana (SindColetivo), que, até então, reivindicava um reajuste de 6% no salário e de 10% no ticket alimentação. A proposta dos motoristas foi rejeitada pelo SET, e os trabalhadores chegaram a anunciar uma greve para começar na última segunda-feira (9).

No entanto, uma audiência entre os dois sindicatos foi realizada no domingo (8) e, mesmo sem acordo, o Sindcoletivo decidiu suspender temporariamente a greve até a audiência de hoje, quando as empresas e os motoristas chegaram a um consenso.

Além do reajuste no salário e no ticket alimentação, o SET se comprometeu com a manutenção da cesta natalina e do pagamento do 13º, “mantendo os direitos acordados no acordo coletivo anterior, entendendo a necessidade dos trabalhadores e dentro do que a crise econômica agravada pela pandemia permitiu”.

As negociações quanto aos valores retroativos ficaram para o ano que vem, quando novas reuniões deverão ser convocadas.

O acordo selado hoje extingue a possibilidade de greve no transporte coletivo em Goiânia e Região Metropolitana.