Adolescente é esfaqueada por colega em colégio de Goiânia

Suspeito sofre de transtorno bipolar e atingiu a vítima com um golpe de faca de serra na região da nuca

SUSTO: Adolescente é esfaqueada por colega em colégio de Goiânia. O caso ocorreu na manhã desta segunda-feira (23), na Vila dos Alpes.
Uma adolescente foi esfaqueada por um colega em um colégio de Goiânia, na manhã desta segunda-feira (23).

Uma adolescente foi esfaqueada por um colega em um colégio de Goiânia, na manhã desta segunda-feira (23). Segundo testemunhas, a vítima foi atingida por um golpe com faca de serra na região da nuca. O caso ocorreu no Colégio Polivalente Goiany Prates, no Setor Vila dos Alpes, na capital. O corte não foi profundo e a menina passa bem.

O suspeito é um estudante da mesma escola, e, segundo uma funcionária da unidade que não quis se identificar, sofre de transtorno bipolar. A vítima foi levada para o hospital por uma equipe do Corpo de Bombeiros.

Ao Mais Goiás, uma amiga da vítima, que presenciou o ocorrido, relatou que ela, a adolescente atingida, voltava com um amigo para a sala de aula após o recreio, quando ambos foram surpreendidos pelo suspeito.

“No início achamos que tinha sido apenas um empurrão, mas minha amiga falou que estava incomodando muito. Quando olhei, vi a faca na região da nuca dela. Entrei em desespero, tirei a faca do local e fomos correndo para a coordenação do colégio”, disse a menina que preferiu não ter o nome divulgado.

Segundo a adolescente, apesar do susto e da quantidade de sangue, o corte não foi profundo e a vítima passa bem. “O aluno que acertou a faca tem algum tipo de problema e inclusive toma remédio controlado. Não é a primeira vez que ele faz isso com minha amiga. Na semana passada, ele já a tinha empurrado”, contou.

Adolescente é esfaqueada por colega em colégio de Goiânia – Funcionária diz que autor não tem “histórico de violência”

Conforme uma funcionária do local, que não quis ser identificada, o autor do golpe de faca é estudante do colégio há três anos e faz parte do programa de atendimento a alunos especiais. Ainda de acordo com ela, o garoto não possui histórico de violência.

O adolescente foi levado da escola pela mãe e por um policial militar.

A reportagem tenta contato com a Secretaria Estadual de Educação (Seduc)