Advogada é presa ao tentar passar drogas no Complexo Prisional de Aparecida

Mulher tentava passar uma droga conhecida como K4, ou maconha sintética

TCE suspende licitação para obra na CPP de Aparecida (GO)
TCE suspende licitação para obra na CPP de Aparecida (GO) (Foto: Reprodução)

Uma advogada foi presa nesta quarta-feira (15), enquanto tentava passar drogas para internos no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia. Segundo informações apuradas pelo Mais Goiás, a ocorrência ainda está em andamento, às 16h50.

Também conforme apuração do portal, ela tentava passar uma droga conhecida como K4, ou maconha sintética. O entorpecente está entre os ilícitos mais comuns interceptados pelos policiais penais.

Ainda não mais detalhes, uma vez que o caso segue em apuração.

O portal procurou a Diretoria-Geral de Administração Penitenciária (DPAG), que confirmou a situação mas não deu mais detalhes . A pasta encaminhou a mulher e os presos destinatários da droga a uma delegacia do município e acionou as prerrogativas a OAB-GO.

A OAB se manifestou por nota:

“A OAB-GO foi informada pela Diretoria da CPP sobre o fato e designou representante de sua Comissão de Direitos e Prerrogativas (CDP) ao local para acompanhar a lavratura do procedimento policial, conforme disciplina o artigo 7º, IV, do Estatuto da Advocacia e da OAB (Lei 8.906/94), e assegurar o respeito às prerrogativas profissionais.

A OAB-GO seguirá acompanhando o caso para certificar-se do cumprimento do devido processo legal, contraditório e amplo direito de defesa e, em caso de comprovação de culpa, tomar as providências necessárias na esfera ético-disciplinar.”

Atualização – novos detalhes

O portal teve novos detalhes sobre o caso. Segundo informações, o caso aconteceu por volta das 13h30 desta quarta, no parlatório do bloco 2. A advogada teria entregue a um preso um papel aparentando ser uma decisão judicial, onde estavam grampeados 234 unidades de selos análogos à substância K4.

Após apreensão, o preso passou por interrogatório sobre a entrega e afirmou se tratar de sua advogada. Outros internos disseram ter visto a advogada entregando a cópia da decisão judicial com os ilícitos grampeados.