Associação diz que exportações de carne bovina caíram 43% com veto da China

Em relação a receita, a queda foi de 31%

Após a China, agora Estados Unidos querem impedir carne bovina do Brasil
Após a China, agora Estados Unidos querem impedir carne bovina do Brasil - (Foto: Infovarejo/Reprodução)

Segundo a Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo), o veto da China às exportações de carne bovina do Brasil fez o volume de envio desse produto ao exterior cair em 43% em outubro, se comparado ao mesmo mês do ano passado. O embargo chegou ao seu segundo mês.

Ainda segundo a Abrafrigo, 108 mil toneladas de carne foram vendidas pelo Brasil em outubro deste ano contra 190 mil toneladas, em outubro de 2020.

Em relação a receita, a queda foi de 31%: caiu de US$ 790 milhões para US$ 541 milhões na comparação dos períodos.

Vale destacar, a China é o principal comprador de caner bovina do Brasil. Representa 60% dos embarques feitos nos portos brasileiros.

Embargo da China

A China embargou a carne bovina brasileira, no começo de setembro, após a confirmação da Secretaria de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento de dois casos de “mal da vaca louca” – Encefalopatia Espongiforme Bovina.

Os casos foram descobertos em frigoríficos de Nova Canaã do Norte (MT) e de Belo Horizonte (MG). Destaca-se, foram o quarto e quinto registros em 23 anos.

Queda no preço da carne

No fim de outubro, o preço da carne caiu pela primeira vez após 16 meses – ainda assim, acumulada alta de 22%. Segundo o IBGE, o recuo foi de 0,31%.

Ao jornal Folha de S.Paulo, o economista André Braz, do FGV Ibre (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas), afirmou que a queda foi por causa da embargo da China.

“A gente vai ver uma queda mais intensa de acordo com a duração desse efeito de paralisação das exportações. A China não deve manter o embargo por muito tempo. Quanto maior for o tempo do embargo, maior é a probabilidade de a gente ver queda no preço”, avaliou.