Agência O Globo

Ataque terrorista a hotel na Somália deixa 26 mortos e 56 feridos

O grupo al-Shabab, que é afiliado à al-Qaeda e já cometeu vários atentados, reivindicou a ação que incluiu carro-bomba

Pelo menos 26 pessoas morreram e 56 ficaram feridas em um ataque do grupo islamista al-Shabab a um hotel na cidade portuária de Kismayo, no Sul da Somália, depois de uma ação que durou quase 12 horas e terminou no último sábado (13). O ataque começou na tarde de sexta-feira, quando um carro-bomba explodiu na entrada do hotel Medina, no centro de Kismayo. Entre os mortos estão estrangeiros, jornalistas, políticos e um ex-ministro.

Um grupo de homens armados entrou no hotel, onde entrou em confronto com as forças de segurança. O grupo al-Shabab , que reivindicou o ataque, já usou as mesmas técnicas em atentados em Mogadíscio , a capital do país.

“Vinte e seis pessoas morreram no ataque e 56 ficaram feridas. Entre os mortos havia estrangeiros. Três quenianos, um canadense, um britânico, dois americanos e três tanzanianos. Dois dos feridos cidadãos chineses”, disse o presidente da região semi-autônoma de Jubaland Ahmed Madobe.

“As forças de segurança agora controlam [o hotel], o último terrorista morreu nas mãos das forças de segurança”, disse à AFP Abdiweli Mohamed, um funcionário de segurança local, acrescentando que “quatro homens armados” poderiam estar envolvidos no ataque.

Segundo testemunhas, o hotel foi destruído pela explosão e pelos tiros.

— Todo o edifício está em ruínas, havia cadáveres e vários feridos no interior, as forças de segurança cercaram a área — explicou Muna Abdirahman, uma testemunha.

Outra agente de segurança, Abdi Dhuhul, confirmou na noite de sexta-feira à AFP a morte de um ex-ministro da administração local e um deputado. O hotel Medina abrigava principalmente empresários e políticos que estavam na cidade para preparar as eleições presidenciais, programadas para o final de agosto na região semi-autônoma de Jubaland.