Kossa Aqui

O bolsonarismo goiano vai abraçar Gustavo Mendanha?

Gustavo Mendanha se aproxima de partido de Bolsonaro mas ninguém sabe se militância bolsonarista se engajará na sua campanha

Prefeito de Aparecida, Gustavo Mendanha (Foto: Prefeitura de Aparecida)
Prefeito de Aparecida, Gustavo Mendanha (Foto: Prefeitura de Aparecida)

Gustavo Mendanha está em processo de aproximação com o PL, partido que abrigou Jair Bolsonaro para a disputa de 2022. O prefeito de Aparecida de Goiânia já tinha conversas com a sigla desde antes da chegada do presidente. Esse processo deu uma esfriada quando Bolsonaro assinou a carta de filiação, mas parece que agora a coisa esquentou novamente.

Se tivéssemos falando de uma militância usual de outras siglas ou líderes, seria um movimento bem natural. O partido ganharia um candidato competitivo para a disputa de 2022 em Goiás, o presidente ganharia um palanque com força para a campanha no estado e o candidato teria alguma estrutura para tocar seu projeto. Mas a militância bolsonarista pode ser caracterizada com vários adjetivos, mas usual não é um deles.

O militante bolsonarista não é um cara da composição, é do confronto. Mendanha é do primeiro time. Em seu trabalho à frente da prefeitura de Aparecida, trouxe um gigante arco de partidos políticos para sua aliança. Cisca pra dentro, para usar um jargão da política. O bolsonarismo exige separação completa de quem é adversário. Qualquer gesto de aproximação é considerado capitulação, quando não traição.

O bolsonarismo goiano se engajaria na campanha de Mendanha tendo o histórico político que ele tem? Não acredito. Você enxerga figuras como Vitor Hugo, Gustavo Gayer ou Gabriela Rodart no palanque ou pedindo voto para Mendanha? Pois é, eu também não.

Por outro lado, acredito sim no engajamento de Magda Mofatto, até por que ela foi quem mais brigou pela filiação do prefeito ao PL, caso realmente se concretize.

Mas o fato é que a candidatura que não une o bolsonarismo em Goiás. E isso não é um bom sinal para Mendanha.

Só que olhando de forma pragmática, que alternativa ele teria para viabilizar sua candidatura? Talvez só lhe reste mesmo servir de palanque goiano a Bolsonaro, mesmo que tomando porrada de uma parcela do bolsonarismo. Ficar esperando por uma sigla de centro, que era seu desejo, parece que não será possível.

Quem não tem cão, caça com gato. E o bolsonarismo é o gato de Mendanha para a caçada eleitoral de 2022.

@pablokossa/Mais Goiás | Foto: Prefeitura de Aparecida