Caiado admite flexibilizar quarentena, mas não em todo o Estado

“Não dá para tomar uma decisão para todo o Estado”, afirmou o governador Ronaldo Caiado

Algumas cidades podem ficar de fora da flexibilização da quarentena
Algumas cidades podem ficar de fora da flexibilização da quarentena

Apesar de admitir a possibilidade de flexibilização da quarentena a partir de 19 de abril, o governador Ronaldo Caiado (DEM) afirma que a decisão não deve ser para todo o Estado. Em entrevista publicada em sua rede social, na terça-feira (7), o gestor informou que Goiânia é uma cidade que o preocupa. Ele citou que, apesar de Goiás ter o maior índice de isolamento com quase 60%, a capital está em 56%. “Se chegar a 50%, a chance de liberar [flexibilizar] aqui é pouca.”

Outro ponto preocupante citado pelo democrata foi a região do Entorno do Distrito Federal. Segundo ele, liberar em um local com baixo isolamento ampliaria o risco de contaminação, em decorrência da movimentação. Mas, no momento, não há nenhuma decisão tomada sobre como ou quais locais terão suas liberdades ampliadas ou restringidas.

De fato, conforme conversado com assessoria de comunicação do governo, é necessário esperar os próximos dias para se ter uma ideia do que pode mudar a partir de 19 de abril, com base nos locais com mais ou menos problemas. No momento, ainda não há como adiantar qualquer tipo de alteração.

“Não dá para tomar uma decisão para todo o Estado”, declarou, ainda, o governador. Caiado expôs que existe um comitê de crise de combate ao novo coronavírus (Covid-19), formado por diversos secretários, que avalia os diversos segmentos da sociedade. O intuito é, justamente, ter um protocolo para que a categoria possa voltar ao trabalho com as regras do Ministério da Saúde. “Não é voltar, simplesmente. O uso de máscara, por exemplo, seria obrigatório.”

Ele também apontou que, mesmo com a flexibilização, esta pode não ser definitiva. “Não quer dizer que amanhã, se tivermos um crescimento abrupto não podemos voltar [a quarentena]. Não é uma dose só.” Caiado declara que para calibrar a situação precisa dos mecanismos que quer ter a partir do dia 19.

Goiânia

Em nota, a prefeitura de Goiânia afirmou que atua de forma alinhada ao Estado em todas as decisões que são tomadas para o combate ao coronavírus, “tendo suspendido as aulas na rede municipal, o funcionamento dos mercados municipais e feiras especiais, cancelado agenda cultural e fechado o Zoológico, o Mutirama e o Clube do Povo, entre outras ações de restrição de circulação como a redução da jornada nos órgãos municipais e a instituição do home office”.

O texto exemplifica que, nesta quarta-feira (8/4), começou a isolar locais de treinamento e exercícios ao ar livre nos parques da cidade em parceria da Seplanh, GCM e Segurança do Estado. “O Gabinete de Gestão Integrada do Município (GGIM), composto por órgãos de fiscalização e segurança pública municipais e estaduais, também aprovou uma série de ações para fiscalizar o cumprimento dos decretos expedidos pelo Governo de Goiás e a Prefeitura de Goiânia visando evitar a disseminação do coronavírus no estado e na capital. Ao mesmo tempo, na Saúde, segue os protocolos determinados pela OMS e Ministério da Saúde”, concluiu.