Caixa paga última parcela do auxílio emergencial aos nascidos em junho

Pessoas que estão inscritas no CadÚnico nascidas no mesmo mês e beneficiários do Bolsa Família com final 7 também recebem

Auxílio emergencial extra de até R$ 3 mil é depositado a pais solteiros
Auxílio emergencial extra de até R$ 3 mil é depositado a pais solteiros - (Foto: Marcello Casal Jr. - Agência Brasil)

A Caixa de Econômica Federal realiza, nesta terça-feira (26/10), o pagamento da sétima e última parcela do auxílio emergencial para os nascidos em junho. O benefício traz quantias que variam de R$ 150 a R$ 375.

O pagamento também abrange as pessoas que estão inscritas no Cadastro Único (CadÚnico) nascidas no mesmo mês. O dinheiro é depositado na conta digital e pode ser movimentado pelo aplicativo Caixa Tem.

A quantia, entretanto, só pode ser sacada em espécie ou transferida para conta corrente após duas a três semanas do depósito.

O pagamento da parcela aos beneficiários do Bolsa Família também acontece nesta terça para aqueles cujo Número de Inscrição Social termina com 7.

Governo notifica pessoas que terão que devolver parcelas do auxílio emergencial pagos pela Caixa

Recentemente, o Ministério da Cidadania notificou 650 mil pessoas para que devolvam, voluntariamente, os recursos recebidos por meio do auxilio emergencial, programa que atende pessoas em situação de vulnerabilidade, afetadas pela pandemia de covid-19.

As mensagens de celular, tipo SMS, foram enviadas pelos números 28041 ou 28042. “Qualquer SMS enviado de números diferentes desses, com este intuito, deve ser desconsiderado”, alertou o ministério.

De acordo com a pasta, as mensagens são para trabalhadores que receberam recursos de forma indevida por não se enquadrarem nos critérios de elegibilidade do programa ou que, ao declarar o Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF), já geraram documento de arrecadação de receitas federais (DARF) para restituição de parcelas do auxílio, mas que ainda não efetuaram o pagamento.

Este é o segundo lote de mensagens no ano de 2021. Segundo o ministério, após o envio do primeiro lote de SMS, em agosto, foram devolvidos aos cofres públicos cerca de R$ 40,6 milhões até o dia 21 de setembro. As restituições foram feitas por meio do pagamento de DARF em aberto e pela geração e pagamento de guias de recolhimento da União (GRU).

*Com informações da Agência Brasil