Campeonato Brasileiro terá limite na troca de treinadores para 2021

O Atlético Goianiense foi um dos nove times que votaram contra a decisão no Conselho Técnico da Série A

Foto: Heber Gomes/ACG

O Campeonato Brasileiro de 2021 terá uma regra diferente, já que na Série A, os clubes poderão trocar de treinador apenas duas vezes durante a competição. Caso os clubes já tenham utilizado os dois comandantes, quem irá assumir é um membro da comissão técnica permanente ou das categorias de base, que tenha pelo menos seis meses no clube.

No futebol goiano, apenas o Atlético, que está na elite do futebol brasileiro, terá de cumprir essa nova regra da CBF. O presidente do Atlético, Adson Batista destacou sua opinião sobre essa nova determinação. “Não gostei, eu votei contra. Isso tira a autonomia do clube, fere o princípio de isonomia. Mas agora vamos encarar e buscar se adaptar a situação”, disse o presidente, que foi um dos 9 dirigentes que votou contra a mudança.

Na temporada 2020, o Atlético teve três treinadores. O clube contratou Vagner Mancini, que pediu demissão após receber proposta do Corinthians. Depois assumiu Eduardo Souza, que fazia parte da comissão técnica permanente do clube. Por fim, Marcelo Cabo terminou no comando do Dragão na temporada.

Atualmente o Atlético conta com João Paulo Sanches como treinador, mas o técnico faz parte da comissão técnica permanente do clube e já ressaltou que não pretende ser efetivado. Adson Batista também destacou que está na busca por um novo comandante e deve anunciar antes do Dragão estrear na Copa Sul-Americana, que está prevista para começar em abril.

Série A

No conselho técnico, o Dragão conheceu também seus primeiros confrontos no Brasileirão 2021, que irá começar no dia 30 de maio e segue até o dia 5 de dezembro. O Atlético irá estrear contra o Corinthians, fora de casa. Já o último confronto será contra o atual campeão brasileiro, Flamengo.