Canabidiol reduz tumor cerebral agressivo e resistente a medicamentos, revela estudo

Inalada por sete dias, composto diminuiu fatores que provocavam o crescimento do câncer

Canabidiol reduz tumor cerebral agressivo e resistente a medicamentos, revela estudo
Canabidiol reduz tumor cerebral agressivo e resistente a medicamentos, revela estudo - (Foto: Pixabay)

Pesquisadores da Faculdade de Medicina da Augusta University, na Geórgia, nos EUA, constataram que o canabidiol (CBD), um dos princípios ativos da maconha, foi capaz de diminuir, em camundongos, o tamanho de um tumor cerebral altamente agressivo e letal. O experimento teve duração de sete dias e o estudo foi publicado na revista especializada Cannabis and Cannabinoid Research.

Os cientistas utilizaram células de glioblastoma modificadas de humanos e adaptadas para os animais, criando o chamado de “glioblastoma ortotópico“, o modelo mais realista possível para o tumor, produzido artificialmente fora do corpo humano. Após oito dias, a doença já estava ativa e de forma agressiva no cérebro dos animais. No nono dia, começou o tratamento com doses diárias de canabidiol inalado, enquanto alguns animais receberam placebo, para controlar o trabalho.

O estudo aponta que depois de inalarem o composto, os animais passaram a produzir em menor quantidade substâncias que favorecem o crescimento do glioblastoma. “Vimos uma redução significativa no tamanho do tumor e também no microambiente tumoral estabelecido pelas células cancerosas, o que inclui vasos sanguíneos e fatores de crescimento diversos que fazem com que ele se espalhe”,  explica Babak Baban, imunologista da Augusta University, nos Estados Unidos, e um dos autores do estudo em comunicado.

Os cientistas tem expectativa de usar o canabidiol, caso seus efeitos benéficos sejam comprovados em mais estudos, em conjunto com o tratamento já empregado em pessoas com diagnóstico do câncer. Atualmente, o tratamento do câncer de cérebro do tipo glioblastoma é feito por cirurgia seguida de quimio e radioterapia. Mas, os resultados não costumam ser satisfatórios, já que esse tipo de tumor é resistente aos medicamentos.

  •  Com informações do O Globo