FolhaPress

Casos de síndrome respiratória aguda grave têm alta de 135% no Brasil, diz Fiocruz

Festas de fim de ano podem ter representado risco significativo para a população, destaca boletim

Casos de síndrome respiratória aguda grave têm alta de 135% no Brasil, diz Fiocruz
Casos de síndrome respiratória aguda grave têm alta de 135% no Brasil, diz Fiocruz (Foto: Jucimar de Sousa - Mais Goiás

Os casos notificados de Srag (Síndrome Respiratória Aguda Grave) no Brasil tiveram um salto de 135%, quando comparadas as últimas três semanas de novembro e as três semanas mais recentes.

Os dados são do boletim Infogripe, da Fiocruz, que não era divulgado havia mais um mês por causa do apagão de dados da Covid-19 no país. A publicação tem sido um dos principais termômetros da evolução da epidemia de coronavírus no Brasil.

Com a alta, o número de casos passou de 5.600 para 13 mil no período. Segundo a Fiocruz, apenas em 2022 foram notificados 6.849 casos de Srag, sendo 1.735 (25,3%) com resultado positivo para algum vírus respiratório e 1.798 (26,3%) negativos. Há ao menos outros 2.667 (38,9%) casos aguardando resultado laboratorial.

O boletim observa que houve um aumento significativo de casos associados ao vírus da gripe no final de novembro e ao longo do mês de dezembro do ano passado, chegando a ultrapassar registros de Covid-19. O quadro, porém, já se inverteu.

“Os dados relativos ao final de dezembro e primeira semana de janeiro já apontam para a retomada do cenário de predomínio da Covid-19”, afirma o documento. Segundo a Fiocruz, praticamente todos os estados apresentaram sinal de crescimento antes mesmo das semanas do Natal e do Ano Novo.

No início de dezembro do ano passado, a Fiocruz já havia alertado para o fato de as internações por síndrome respiratória no Brasil terem voltado a crescer depois de um período de estabilidade.

“O cenário de aumento de casos graves, tanto de influenza quanto de Covid-19, anteriores às festas de final de ano sugere que tais eventos podem ter representado risco significativo para a população, especialmente em eventos com muitas pessoas”, afirma a instituição.

De acordo com o coordenador do Infogripe, Marcelo Gomes, a manutenção da divulgação dos dados durante o período de festas “teria dado melhores condições para a população tomar decisões adequadas ao momento epidemiológico”.

O apagão de dados oficiais sobre a Covid-19 completou um mês nesta semana, e o Brasil segue sem saber o tamanho real da nova onda de contaminações provocada pela variante ômicron.

Os pesquisadores afirmam que os dados servem de alerta para a retomada de ações de conscientização da população e para minimizar o impacto da doença no início de 2022.

Eles destacam, ainda, que os dados do boletim devem ser cruzados com outros indicadores relevantes —como a taxa de ocupação de leitos em hospitais, por exemplo.

Com o avanço da cobertura vacinal na população adulta e a queda de imunidade entre os que receberam o imunizante há mais tempo, as faixas etárias de 60 anos ou mais voltaram a ser os grupos com maior incidência semanal de casos e óbitos por Srag com diagnóstico de Covid-19.

A alta de casos notificados de Síndrome Respiratória Aguda Grave é observada em 25 das 27 unidades federativas, e também em todas as faixas etárias a partir dos dez anos.

A publicação afirma que, entre aqueles com idades entre dez e 19 anos, é possível que o volume de diagnósticos já tenha atingido valores similares aos registrados nos picos de março e maio de 2021, quando houve a segunda onda da epidemia no país.

“Tal cenário só não é observado na faixa de zero a nove anos, que ao final de dezembro apresenta interrupção de crescimento que se mantinha desde o mês de outubro de 2021”, diz a Fiocruz.