Celular levado por advogados chegaria à cela do mais perigoso traficante de Goiás

Aparelho que estava escondido dentro de sabão foi interceptado por policiais penais em Planaltina de Goiás

Aparelho que estava escondido dentro de barra de sabão foi interceptado por policiais penais no Presídio de Planaltina de Goiás
(Foto: DENARC)

O micro telefone celular que foi apreendido na manhã da última quarta-feira (2) por policiais penais na Unidade Prisional Especial de Planaltina tinha como destino a cela onde está recolhido o maior e mais perigoso traficante de Goiás, Iterley Martins de Souza. Escondido em uma barra de sabão, o aparelho foi levado até o presídio por dois advogados, que acabaram presos e autuados em flagrante.

Três barras de sabão, cada uma recheada com um item proibido para detentos, celular, carregador, e isqueiro, foram apreendidas por policiais penais que trabalham no presídio de Planaltina de Goiás, a 259 quilômetros de Goiânia.

Disfarce: advogados endereçaram celulares a colega de cela do traficante

Para tentar inibir o aparelho de Raio X, os ilícitos foram enrolados em papel alumínio antes de serem colocados dentro das barras de sabão.

De acordo com a Diretoria Geral de Administração Penitenciária (Dgap), itens estavam destinados a um detento condenado por receptação, o qual divide cela com Iterley, 38, que seria o real destinatário da encomenda ilícita

Com histórico de crimes e fugas, Iterley tem condenação por tráfico e homicídios

Temido por rivais e suspeito de ter mandado matar dezenas de pequenos traficantes em Goiânia, principalmente na região Sudoeste da capital, Iterley, que no mundo do crime é mais conhecido pelo apelido “magrelo”, foi capturado em setembro de 2015, em Fortaleza, Ceará. Na ocasião ele estava foragido da justiça de Goiás por mais de sete anos. Ao ser detido, chegou a ocupar cela em presídio federal, mas há pouco mais de um ano, retornou para Goiás.

Em 2017, Iterley, que já cumpria pena de seis anos por tráfico de drogas, e de 46 anos por homicídios, foi condenado a mais 16 anos de prisão por um assassinato ocorrido em 2008 em Goiânia.

Quando foi apresentado à imprensa em 2015, ele negou todas as acusações, afirmou que estava pobre, trabalhava como comerciante no Ceará e que vivia apenas para cuidar de sua mulher cadeirante e dos filhos.

Na mesma oportunidade, porém, o então titular da Delegacia Estadual de Repressão aos Narcóticos (Denarc), delegado Alécio Moreira, afirmou que Iterley continuava comandando o tráfico mesmo à distância. Na época, ele era investigado por suposta participação em mais de 50 execuções, em Goiânia.