FolhaPress

Cerca de 270 mil não apareceram para tomar segunda dose de vacina em SP

Na capital paulista, aproximadamente 81 mil pessoas não tomaram o reforço da imunização contra o novo coronavírus

Vacinação contra covid-19 (Foto: Divulgação)
Vacinação contra covid-19 (Foto: Divulgação)

Cerca de 271 mil pessoas que tomaram a primeira dose da vacina contra a Covid-19 não apareceram para receber o reforço, no estado de São Paulo, segundo dados da Secretaria Estadual de Saúde, gestão João Doria (PSDB).

Na capital paulista, até a manhã desta sexta-feira (23), 81.062 pessoas não haviam comparecido aos postos de imunização para tomar o reforço, de acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, gestão Bruno Covas (PSDB).

A pasta afirma estar entrando em contato com estas pessoas para orientá-las sobre a importância da vacinação e para entender os motivos da abstenção.

Segundo a secretaria, os motivos “podem ser desde uma mudança de endereço, como a espera por um acompanhante para ir ao local de vacinação, e até mesmo um esquecimento”.

No caso da Coronavac, produzida pelo Instituto Butantan, a orientação é que o reforço seja tomado de 21 a 28 dias depois da primeira dose. Já a vacina de Oxford/AstraZeneca conta com um intervalo maior, de 12 semanas após a primeira imunização.

“A eficácia que nós conhecemos [da vacina] é de quando nós fazemos a segunda dose no prazo estabelecido pelos estudos. É importante que a gente obedeça esse prazo”, explica Raquel Stucchi, infectologista da Unicamp e consultora da Sociedade Brasileira de Infectologia.

Segundo a médica, a pessoa que se esqueceu de tomar o reforço, assim que lembrar, deve dirigir-se imediatamente ao local que tomou a primeira para receber a segunda.

“Caso a vacina esteja em falta, uma ou duas semanas a mais não vão possivelmente atrapalhar a proteção, mas é importante que, assim que a vacina estiver disponível, que se tome a segunda dose e mantenha em dia o calendário”, complementa.

A Secretaria de Estado da Saúde afirma que há indicação na carteira vacinal da data de retorno para o reforço.

Em nota, a pasta afirma que “conta com o apoio da população para que a campanha de vacinação contra a Covid-19 seja efetiva, com respeito aos protocolos e prazos indicados nas bulas das vacinas”.

“Cabe lembrar que, com o início da campanha de vacinação contra a gripe, quem se imunizou contra Covid-19 deve aguardar pelo menos 14 dias para se vacinar contra o vírus Influenza. Para receber a segunda dose contra o novo coronavírus Covid-19, deve também aguardar outros 14 dias”, diz o texto.

Busca ativa das abstenções na capital

Para identificar aqueles que não se vacinaram na capital, a Secretaria Municipal da Saúde extrai do sistema Vacivida a relação de pessoas que ainda não receberam a segunda dose e realiza o georreferenciamento entre o endereço da pessoa e a UBS (Unidade Básica de Saúde) mais próxima. Então, os profissionais do posto entram em contato com as pessoas para orientá-las sobre a importância da vacinação correta e verificar os motivos da abstenção.

Segundo a secretaria, as UBSs que possuem equipes do Programa Estratégia Saúde da Família também fazem parte deste trabalho. Os agentes comunitários, em suas visitas casa a casa, alertam a população sobre a importância da imunização correta com as duas doses e, também, monitoram os pacientes que não tomaram nenhuma das doses ou apenas a primeira dose.

Médicos e enfermeiros também realizam o alerta durante atendimento médico. O sistema Vacivida avisa a pessoa a ser vacinada, via celular, da chegada do prazo de sua segunda dose da imunização.

“O órgão conta com o compromisso e entendimento dos imunizados com a primeira dose para buscarem o serviço de Saúde para a segunda dose, conforme preconizado, contribuindo no combate à Covid-19”, diz nota da pasta.