Cerca de 3 mil pacientes com HIV passam pelo HDT por mês

Médica, Thaís Lopes Safatle Dourado fala sobre a rotina dos pacientes

Cerca de 3 mil pacientes com HIV passam pelo HDT por mês
Cerca de 3 mil pacientes com HIV passam pelo HDT por mês (Foto: Agência Brasil)

O Hospital de Doenças Tropicais Dr. Anuar Auad (HDT), em Goiânia, atende cerca de 3 mil pacientes com HIV por mês. Em relação a óbitos, o HDT registrou 98 causadas pela doença neste ano. Vale citar, a partir desta quarta-feira (1º), tem início o Dezembro Vermelho, campanha destinada à conscientização para o tratamento precoce do HIV e Aids, e outras doenças sexualmente transmissíveis.

Segundo Thaís Lopes Safatle Dourado, médica infectologista no serviço de controle de infecção hospitalar do HDT e diretora técnica do Condomínio Solidariedade (um “braço” do hospital), a unidade é referência, especialmente para o interior. “São 80 médicos entre enfermaria, emergência, ambulatório e UTIs. Já no Condomínio Solidariedade, são 13 médicos, junto com equipe multiprofissional [fonoaudiologia, fisioterapia e mais].”

Em relação a rotina, os pacientes chegam para a parte ambulatorial pelos Cais, que fazem o encaminhamento. “Chegam e são atendidos por um infectologista, que avalia os exames, pede confirmatórios para ver a função hepática e renal, e definir tratamentos. Quando falta algo, voltam entre 15 e 30 dias.”

Ainda de acordo com ela, após a confirmação, em uma segunda consulta, caso haja interesse, o paciente pega a medicação. O primeiro retorno ocorre em 30 dias. Caso esteja estável e com carga viral baixa, pode ter um “tempo de dispensação maior”, recebendo medicamentos para durar até seis meses.

Internação no HDT

Em relação às internações, a média do HDT, em 2021, é de 70 pacientes por mês. Thaís explica que os internados chegam pela rede básica, ou são pacientes já regulados pelo HDT.

Caso o médico do pronto-socorro entenda pela internação, ele será atendido pelos infectologistas da enfermaria ou UTI – se precisar. O tratamento segue até a estabilidade.

Quando estáveis, a médica explica, eles vão para o Centro Estadual de Atenção Prolongada e Casa de Apoio Condomínio Solidariedade (CEAP-SOL), onde existe a parte multidisciplinar, mas também para evitar “doenças oportunistas”. “O Condomínio é para aqueles que precisam de reabilitação.”

Dezembro Vermelho

Destaca-se, teve início nesta quarta-feira (1º) o Dezembro Vermelho. O período é destinado à conscientização para o tratamento precoce do HIV e Aids, e outras doenças sexualmente transmissíveis.

Inclusive, o mês de dezembro foi escolhido pelo Ministério da Saúde em razão do Dia Mundial de Combate à AIDS, comemorado em 1º de dezembro. A pasta instituiu a campanha por meio da Lei nº 13.504/2017.

Em Goiânia, no Paço, a prefeitura realiza testagens, palestras, distribuição de preservativos e mais.

LEIA MAIS:

Goiânia tem menor número de diagnósticos de Aids em 10 anos