Cocaína ‘envenenada’ na Argentina continha anestésico para elefantes

Os efeitos são 10 mil vezes mais fortes que os da heroína

Cocaína 'envenenada' na Argentina tinha anestésico para elefantes
Cocaína 'envenenada' na Argentina tinha anestésico para elefantes - (Foto: divulgação - Secretaria de Saúde de Buenos Aires)

A cocaína envenenada que provocou 24 mortes na Argentina estava contaminada com carfentanil, um opioide de uso veterinário que é utilizado para anestesiar elefantes. A imprensa local teve acesso a relatos de peritos que, analisaram a substância identificada tanto pelo laboratório da Promotoria de Munro quanto pelo laboratório da Polícia Científica de Buenos Aires.

“O resultado de dois estudos de especialistas independentes chegaram à conclusão de que a substância utilizada para aumentar o cloridrato de cocaína, encontrada em várias amostras apreendidas no contexto dessas ações, é o carfentanil, um opioide extremamente forte cujos efeitos são 10 mil vezes mais fortes, ou mais forte que a heroína ou o fentanil”, diz o  jornal o Clarín.

Dose letal

O carfentanil é tão perigoso que a agência americana de combate às drogas, já publicou um comunicado orientando agentes a não manusearem drogas se desconfiarem que contêm essa substância. O manuseio inadequado do carfentanil tem consequências mortais, destaca a agência.

“A dose letal para carfentanil em humanos é desconhecida. No entanto, como observado, ele é aproximadamente 100 vezes mais potente que o fentanil, que pode ser fatal na faixa de 2 miligramas, dependendo da via de administração e de outros fatores”.

Intoxicação

24 pessoas morreram ao consumir a cocaína misturada com a substância, e dezenas de outras foram internadas com sintomas graves de insuficiência respiratória. Além disso, cerca de 200 pessoas compareceram a postos médicos com sintomas graves de intoxicação e outras fizeram contato com postos de saúde buscando informações sobre o assunto.

O traficante paraguaio Joaquín Aquino, conhecido como “El Paisa”, e apontado como o responsável pela distribuição da cocaína adulterada, foi preso e teve uma ordem de expulsão permanente do país emitida. Outras 12 pessoas, também envolvidas na distribuição e venda da cocaína, foram detidas.