Confirmado 1º caso de covid-19 na Vila São Cottolengo, em Trindade

Outros seis casos tratados como suspeitos na instituição testaram negativo para o novo coronavírus

O primeiro caso de covid-19 foi confirmado na Vila São Cottolengo, em Trindade, nesta quarta-feira (22). (Foto: Divulgação/ Arquivo Pessoal)
O primeiro caso de covid-19 foi confirmado na Vila São Cottolengo, em Trindade, nesta quarta-feira (22). (Foto: Divulgação/ Arquivo Pessoal)

O primeiro caso de covid-19 foi confirmado na Vila São Cottolengo, em Trindade, nesta quarta-feira (22). O infectado é um homem, de 36 anos, paciente interno do hospital filantrópico que atende atualmente 334 pessoas com deficiência em situação de vulnerabilidade social. Outros seis casos tratados como suspeitos na instituição testaram negativo para o novo coronavírus. Local está fechado para visitações desde o último dia 17 de março. Com a confirmação, o número de casos subiu para sete em Trindade. Não há óbitos pela doença na cidade.

Por meio de nota, a instituição informou que o paciente diagnosticado com covid-19 está isolado e sem sintomas graves. O homem apresenta apenas coriza e passa bem. Toda a unidade de internação do hospital foi isolada e os colaboradores que tiveram contato com o paciente estão em quarentena domiciliar.

Segundo a instituição, a unidade conta com uma Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH), responsável por cumprir, diariamente, os protocolos de higiene e limpeza da entidade e que, desde a notificação do primeiro registro da doença no país, “tem intensificado ainda mais essas medidas”.

Goiás registra 17 casos e duas mortes por covid-19 em 24h

Medidas preventivas

Para conter o avanço e a proliferação do coronavírus na instituição, a Vila São Cottolengo fechou as portas para visitação no último dia 17 de março. Atendimentos médicos e terapêuticos realizados para a população externa foram suspensos, assim como as aulas da Escola Especial, da instituição.

No documento, a administração do hospital filantrópico afirma que afastou os colaboradores integrantes do grupo de risco, instituiu o teletrabalho/home office para determinados setores, e, “utilizando-se da MP 936, estabeleceu a redução proporcional de jornada de trabalho e salário para os profissionais, bem como a suspensão de contrato de trabalho por 30 dias de parte dos colaboradores, além do escalonamento entre as equipes”.

Ainda de acordo com a nota da instituição, foram renovados e instalados novos dispensadores de álcool 70% no local. O hospital também tem demarcação de distância nos locais onde se formam filas para registro de ponto eletrônico, que foram colocados em áreas externas.

“Efetuamos a reorganização interna do refeitório, com alteração do horário de entrada, saída e permanência no local, isolamos as unidades de internação, restringindo a circulação de pacientes e colaboradores para apenas os que lá precisam atuar, colocamos pias para a lavagem frequente das mãos em locais estratégicos, intensificamos a limpeza de pisos, corrimãos, maçanetas e banheiros com álcool 70%”, diz o texto.

O hospital realizou, ainda, pulverização com fumacê nas áreas internas de todas as unidades, além da limpeza com hipoclorito de sódio em todas as áreas externas da Vila São Cottolengo. Além disso, os colaboradores que estão desenvolvendo atividades na instituição são orientados para o uso regular das máscaras e para evitar a circulação desnecessária.