Construtora ocupa rua com terra e tijolos em Goiânia; moradores reclamam

Segundo um dos vizinhos, material foi colocado na via e na calçada há cerca de 10 dias

Construtora ocupa rua com terra e tijolos em Goiânia; moradores reclamam
Construtora despejou terra e colocou tijolos na rua e na calçada, em frente ao lote onde fica a construção. Com isso, a rua ficou parcialmente bloqueada. (Foto: Reprodução/Moradores)

Moradores do bairro Residencial Paulo Estrela, em Goiânia, denunciaram uma situação que os incomoda há cerca de 10 dias. É que, para executar uma obra, uma construtora despejou terra e colocou tijolos na rua e na calçada em frente ao lote em construção. Com isso, a rua ficou parcialmente bloqueada.

Segundo os moradores da região, que não quiseram se identificar, eles não sabem qual o nome da empresa, o que dificulta a cobrar soluções. Só sabem que o material foi colocado ali, na rua 5, há cerca de 10 dias.

No início da semana, nesta segunda-feira (1), algumas pessoas conseguiram reclamar com os responsáveis pela obra, que nesta terça-feira (2), retiraram a terra. Mesmo assim, o monte de tijolos segue a ocupar a calçada e parte da via.

Após deixar os tijolos e remover a terra, lama toma conta de rua de Goiânia (Foto: Reprodução/Moradores)

Os moradores reforçam que os tijolos na calçada atrapalham a acessibilidade dos pedestres e podem resultar em acidentes de trânsito.

Ainda que a terra tenha sido retirada, boa parte dela virou lama por causa das chuvas, o que incomoda quem vive por ali. “É muito triste, decepcionante. Agora vem uma chuva e arrasta essa lama para perto de seu portão. O cachorro que fica dentro de casa não pode nem pensar em sair na rua”, reclamou um dos vizinhos em entrevista ao G1.

O Mais Goiás tentou contato por e-mail no início da manhã com a Secretaria Municipal de Mobilidade (SMM), responsável pela fiscalização das ruas, para entender qual a multa necessária para esta ação e quais medidas serão tomadas com relação à construtora. Mas, segundo a secretaria esse tipo de situação é atribuição dos Auditores Fiscais da SEPLANH. Procurados, também não atenderam aos telefonemas.

 

*Com informações do G1