Conta de luz fica mais cara em Goiás a partir desta sexta (22)

Reajuste na conta de luz é motivado pela redução do nível dos reservatórios das hidrelétricas

Reajuste médio no Nordeste será de 17%, no Sudeste, de 13%. Conta de luz vai subir 12% neste ano no Brasil; aumento gera debate
(Foto: Agência Brasil)

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou reajuste na conta de luz em Goiás. O percentual médio de aumento é de 16,45%. Para os consumidores residenciais, que são a maioria, o incremento é de 16,37%. Para o consumidor industrial, é de 14,21%.

Os consumidores residenciais que pagavam R$ 0,547/kWh na conta de luz passam a pagar R$ 0,637/kWh. O reajuste é motivado principalmente pela redução do nível dos reservatórios das hidrelétricas.

A Enel Goiás explica as razões para o aumento de 16,45% na conta de luz: “13,14% são para cobrir os custos com a compra de energia, encargos setoriais e transmissão, e 3,31% destinam-se à distribuidora para manutenção e investimento na rede”.

A distribuidora em Goiás informou ainda que o reajuste para os consumidores residenciais, que representam mais de 85% de todos os clientes da Enel Goiás, foi de 16,37%. Portanto, aqueles que até então pagavam R$ 0,547/kWh na conta de energia, a partir do dia 22 de outubro passarão a pagar R$ 0,637/kWh. “Para os clientes de média e alta tensão, em geral indústrias e comércios de grande porte, o reajuste médio será de 14,21%”, destacou.

Baixo nível dos reservatórios motivou reajuste na conta de luz em Goiás

A Enel Goiás declarou que o reajuste aprovado pela Aneel nesta quinta-feira “foi fortemente impactado pela crise hídrica enfrentada pelo país”. Segundo a distribuidora, em razão da queda drástica dos níveis dos reservatórios, o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) precisou acionar mais usinas termelétricas, que têm um custo de geração mais caro, o que impactou as tarifas.

“A composição do reajuste foi, portanto, fortemente impactada pela crise hídrica enfrentada pelo país, com reflexo direto nos custos de compra de energia produzida pelos geradores, e pelos encargos setoriais. Importante destacar que o processo de reajuste iniciou com percentual de 24,4% e, após medidas implementadas pelo regulador, chegou-se ao percentual de reajuste médio aprovado”, finalizou a Enel.