Agência O Globo

Coronavírus: Chile anuncia lockdown em Santiago após recorde no número de novos casos em um dia

Medida afetará 90% da população da Região Metropolitana, onde a capital está localizada; quarentena também passa a ser obrigatória para todas as pessoas acima de 75 anos no país

Congresso do Chile aprova casamento homoafetivo
Foto: Roberto Gallardo - EyeEm/Getty Images

O ministro da Saúde do Chile, Jaime Manalich, informou nesta quarta-feira que a capital do país, Santiago, entrará em confinamento total, equivalente a um lockdown, já que os moradores só poderão sair para comprar alimentos e remédios. A medida vai afetar 90% da Região Metropolitana de Santiago, onde a cidade está localizada e que concentra 40% da população do país. O anúncio, que representa uma revisão da estratégia do governo do conservador Sebastián Piñera de quarentenas seletivas,  ocorre no dia em que o Chile registrou 2.660 novos casos do novo coronavírus — a maior quantidade diária até o momento e um aumento de 60% em comparação ao dia anterior.

Entrarão em confinamento as 32 comunas  que formam Santiago e outras seis em áreas próximas. Segundo Felipe Guevara, governador da Região Metropolitana de Santiago, a medida afetará em torno de 8 milhões de pessoas. Também foram incluídas na quarentena total as cidades de Iquique e Alto Hospicio, no Norte. Várias comunas que já haviam saído do confinamento voltarão a sofrer a medida.

O ministro também anunciou quarentena obrigatória em todo o Chile para pessoas acima de 75 anos — antes,  a medida era válida para cidadãos acima de 80. Ele disse que as “extraordinárias e duras” medidas que vão entrar em vigor nesta sexta-feira, às 22h (horário local), são necessárias para diminuir o índice de contágio. O Chile tem um total de 34.381 casos de Covid-19 e 347 mortes.


Após o anúncio das novas medidas, filas começaram a se formar em frente a supermercados e farmácias de Santiago. O presidente Piñera pediu colaboração da população em uma publicação no Twitter:

“Trabalhamos para proteger a saúde e a vida de nossos compatriotas. […] Precisamos da sua colaboração”.