Coronavírus: Comurg desaconselha a colocar lixo só em sacos de supermercado

Apesar de não haver estudo sobre este tipo de transmissão em cadeia, infectologista afirma que na teoria é possível que vírus chegue aos trabalhadores pelos resíduos descartados

Comurg registra 81 casos e uma morte por covid-19

Em tempos de pandemia do novo coronavírus (Covid-19), o manuseio correto do lixo pode preservar vidas. Isto, porque alguém contaminado pode transmitir a doença aos garis, caso os resíduos não sejam embalados de forma adequada. Segundo o assessor de comunicação da Companhia de Urbanismo de Goiânia (Comurg), João de Oliveira, esse pensamento, inclusive, deveria já existir para todo tipo de doença transmissível.

“É preciso ter cuidado no manusear e embalar de maneira que não contamine.” Ele explica que a companhia tem pedido as pessoas para utilizarem o saco preto, em vez de sacolinhas de supermercado. “Estas até podem ser usadas, mas colocadas dentro do preto.”

Ele recomenda, se possível, que sejam utilizados dois sacos. “Além disso, não utilizar o total, deixar um terço vazio para amarrar bem e evitar vazamentos para o coletor.” Conforme explicado por João, embora o trabalhador utilize luvas, elas não protegem 100%, visto que não são como as de plástico – que não são recomendadas pela fragilidade.

“Com esse confinamento há um crescimento de consumo grande. De fast foods, espetinhos, enfim, produtos cortantes. No caso do espetinho, recomendamos cortar e colocar dentro uma garrafa pet ou caixa. O mesmo com vidro, que também pode ser enrolado em jornal”, esclarece.

Visão médica

O infectologista Boaventura Braz afirma que não saber de nenhum trabalho que mostre essa cadeia de transmissão, mas afirma que, na teoria, pode ocorrer. “Na medida que não há processo de assepsia do produto por quem está contaminado, se a pessoa que está manuseando este resíduo passar a mão no rosto inapropriadamente pode se contaminar. É um risco inerente.”

Questionado sobre como proceder, o médico afirma que o correto é que a pessoa que sabe estar contaminada não participe dos processos de destinação dos lixos dentro de casa. Para ele, este é um procedimento que deveria ser orientado.

Comurg

Além destas orientações, a Comurg, que mantém os serviços de limpeza pública, ou seja, essenciais, orienta que o cidadão se atente ao dia e horário em que o caminhão da coleta passa no local. O presidente da companhia, Aristóteles de Paula, inclusive, oriente a colocação de luvas e máscaras em sacos duplos, apesar do descarte ser feito no mesmo local que o lixo comum.

“Vamos pensar e agir com empatia, cuidado e atenção para que os nossos profissionais não venham a apresentar danos na saúde. Eles estão trabalhando para manter a cidade limpa, mesmo em meio a toda essa crise”, garante Aristóteles, que lembra que todo o lixo segue para o aterro sanitário.

Outras dicas são: uma pessoa não infectada deve retirar o saco do cesto pelo lado de fora e fechá-lo de forma que não vaze nem ar nem líquidos, para que o vírus fique dentro do saco de lixo; e higienizar pontos de contatos, como alças e tampas de lixeiras.