Delegado e Demóstenes se acusam de fazer “manobra” em caso de acidente de trânsito em Anápolis

Caso que gerou o estranhamento foi um acidente de trânsito em um cruzamento entre um carro e uma moto, que resultou na morte do motociclista

Delegado e Demóstenes se acusam de fazer
Delegado e Demóstenes se acusam de fazer "manobra" em caso de acidente de trânsito em Anápolis (Foto: Reprodução)

Um acidente de trânsito em Anápolis levou o delegado Manoel Vanderic, da Delegacia de Investigação de Crimes de Trânsito (Dict) da cidade, e o ex-senador e advogado, Demóstenes Torres, a se estranharem. De um lado, o policial acusa o defensor de realizar manobras, do outro, o jurista devolve a acusação e afirma que o delegado fugiu da faculdade de Direito.

O caso que gerou o estranhamento foi um acidente de trânsito em um cruzamento entre um carro e uma moto, que resultou na morte do motociclista, no último domingo (9). As informações são do jornal O Popular.

De acordo com a Polícia Civil, o atropelamento aconteceu em um cruzamento do bairro JK Oeste. O condutor do carro e agora cliente de Demóstenes, Sérgio Fernandes de Moraes, não teria respeitado o cruzamento e atingiu o motociclista Wilkinson Leles do Nascimento.

Câmeras de segurança mostram quando Sérgio desce do carro e conversa com algumas pessoas. Quando o número de transeuntes cresce, ele volta para o carro, desde novamente e joga um objeto em terreno baldio que, segundo o delegado, seria uma garrafa de vinho pela metade – já apreendida e em perícia, assim como o veículo. Sérgio, então, deixa o local a pé.

Estranhamentos

O suspeito se apresentou à Polícia Civil, após três dias dizendo que o faria, na quarta-feira (12), às 0h30 com o advogado Demóstenes. Em vez da Dict, eles foram na Central de Flagrantes de Anápolis. O delegado Manoel Vanderic, então, afirmou que se tratou de uma manobra para que o suspeito não fosse preso. Ele disse, ainda, que a Central de Flagrantes só não cumpriu a prisão, pois o mandado estava sob sigilo.

Agora, ele diz que o sigilo não está mais em vigor e Sérgio pode ser preso a qualquer momento. Ao jornal O Popular, Demóstenes disse que foi contratado à noite e por isso foi de madrugada à delegacia, pois não é “preguiçoso”.

Ele declarou, ainda, que o delegado teria fugido da faculdade de Direito, pois a polícia funciona de forma una. “Se existe algum mandado, ele escondeu para ele mesmo fazer a prisão. Fez uma manobra para aparecer.”

Demóstenes informou, também, que representará contra o delegado por abuso de autoridade (se ele escondeu o mandado, impossibilitou o trabalho dos colegas). Por fim, disse que não teve acesso aos autos e que não há razão para o cliente dele ser preso.