Agência O Globo

Delegado que investiga Milton Ribeiro vai deixar setor da PF que investiga políticos

Bruno Calandrini havia pedido para sair do grupo no mês passado, mas deve continuar à frente da investigação sobre o ex-ministro da Educação

PF vai investigar ataques e ameaças a juiz que autorizou prisão de Milton Ribeiro
PF vai investigar ataques e ameaças a juiz que autorizou prisão de Milton Ribeiro (Foto: Agência Brasil)

O delegado da Polícia Federal Bruno Calandrini, que cuida da investigação sobre um suposto esquema de corrupção na gestão do ex-ministro da Educação Milton Ribeiro, vai deixar o grupo da PF de Brasília responsável pelas investigações contra políticos com foro privilegiado, conhecido como Cinq (Coordenação de Inquéritos).

De acordo com a PF, Calandrini já havia pedido para deixar o grupo no início do mês de maio, antes da deflagração da operação que resultou na prisão de Milton Ribeiro. A sua saída foi autorizada com a condição de que ele continue à frente desse inquérito.

“Após tratativas iniciadas ainda no mês de maio do corrente ano, no dia 15/6/2022 houve a movimentação formal do DPF Calandrini para a DRCC/CGFAZ/DICOR/PF, onde irá coordenar a Unidade Especial de Investigação de Crimes Cibernéticos”, disse a PF, em nota. A PF afirmou ainda que Calandrini permanecerá à frente do inquérito sobre as irregularidades no MEC e de outros casos relacionados ao Cinq nos quais ele já havia atuado.

Na semana passada, após a deflagração da operação, Calandrini enviou uma mensagem a colegas afirmando que houve interferência da cúpula da PF no caso, depois que não foi autorizada a transferência de Milton Ribeiro de São Paulo para Brasília.

Ele também foi responsável por solicitar a inclusão do ministro da Economia Paulo Guedes como investigado em um inquérito sobre desvios no fundo de pensão dos Correios, o Postalis.