Deputado goiano diz que Guedes omitiu que filha é diretora de offshore

O ministro da Economia não teria apresentado a informação na Declaração Confidencial de Informações (DCI) exigida pelo governo

Guedes diz que fará reformas mesmo em ano eleitoral
Guedes diz que fará reformas mesmo em ano eleitoral - (Foto: Ascom/ME)

Paulo Guedes teria omitido que a filha, Paula Drumond Guedes, seria diretora da empresa offshore que mantém nas Ilhas Virgens Britânicas. O ministro da Economia não teria apresentado a informação na Declaração Confidencial de Informações (DCI) exigida pelo governo, segundo levantamento realizado pelo deputado federal goiano Elias Vaz (PSB).

O parlamentar analisou a documentação encaminhada pelo ministro à Comissão de Fiscalização Financeira e Controle e descobriu que o ministro omitiu que, quando deixou a direção da empresa para assumir a pasta, a filha, que também é sócia, continuou como diretora da empresa. Em 2019, quando se tornou ministro, Guedes não apresentou essa informação na DCI.

Segundo a documentação a que o deputado teve acesso, ele foi diretor de 2014 a 2019 e a filha é diretora desde 2015. Além disso, a esposa do ministro também é sócia da offshore. Assim, Elias Vaz vai fazer representação contra Paulo Guedes no Ministério Público Federal.

“Entendo que a empresa está sob suspeita. É no mínimo muito estranho Guedes ter omitido essas informações. Por isso, é importante que o Ministério Público Federal analise o extrato de desempenho dessa offshore para saber se não foi beneficiada por informações privilegiadas que Guedes obteve por ser ministro”, afirma Elias Vaz.

O que Paulo Guedes pode ter violado?

Segundo argumenta o deputado, Paulo Guedes teria violado o artigo 5º do Código de Conduta da Alta Administração Federal, instituído em 2000, que proíbe funcionários do alto escalão de manter aplicações financeiras que sejam afetadas por políticas governamentais.

A existência de investimentos do ministro da Economia no exterior foi revelado em outubro pela Revista Piauí, que participa do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos, com dados do chamado Pandora Papers.

O que Guedes diz sobre a offshore?

Em entrevista à CNN em outubro, Paulo Guedes diz que “não fez nada de errado” e que sua offshore é “legal, reportada ao Comitê de Ética da Presidência, declarada na Receita Federal e registrada no Banco Central”.

“Eu saí do comando da empresa semanas antes de assumir o ministério. E além disso, na semana passada, a Suprema Corte brasileira arquivou o caso”, afirmou na ocasião.

Deputado quer que Paulo Guedes cumpra convocação

O deputado goiano também quer ainda que Paulo Guedes cumpra a convocação proposta por ele e aprovada pela Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara Federal. “O que tanto Guedes tem a esconder? Se a offshore é legal e não foi privilegiada, como ele alega, por que o ministro está fugindo? Nós não vamos abrir mão do nosso direito de fiscalização parlamentar”, cutuca.

O Ministro da Economia foi convocado para dar explicações à Câmara dos Deputados no último dia 10 de novembro sobre a manutenção de offshore em paraíso fiscal, mas não foi.

Guedes não deu justificativas para o cancelamento do depoimento e nem procurou os deputados para marcar uma nova data. O depoimento seria comandado pelas comissões de Fiscalização e Trabalho da Câmara.