Detento é encontrado morto em cela no presídio de Aparecida

Polícia Civil irá investigar o caso

MP-GO abre inquérito para apurar licitação de fornecimento de marmitas a presos
MP-GO abre inquérito para apurar licitação de fornecimento de marmitas a presos (Foto: Divulgação - DGAP)

Um detento foi encontrado morto dentro de uma cela da Casa de Prisão Provisória (CPP), em Aparecida de Goiânia. Segundo a Diretoria-Geral de Administração Penitenciária (DGAP), no início da manhã desta quarta-feira (22), o reeducando não respondeu aos chamados nominais dos agentes plantonisitas.

O detento que cumpria pena por homicídio, foi encontrado pela equipe dentro da cela. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi enviado para o local e confirmou a morte.

Procedimentos administrativos internos vão apurar morte de detento

De acordo com nota enviada pela DGAP, foram procedimentos administrativos internos para apurar o que aconteceu e a Polícia Civil foi informada e deve investigar o caso.

A Diretoria-Geral de Administração Penitenciária (DGAP) informou ainda que segue as orientações de prevenção e combate à pandemia da Covid-19 e desde 2020 as visita de familiares estão suspensas nos presídios.

Veja a íntegra da nota:

A Casa de Prisão Provisória (CPP) de Aparecida de Goiânia segue as medidas de prevenção e combate à pandemia causada pelo novo coronavírus. Neste contexto, desde 2020, as visitas de familiares estão suspensas nos presídios.

A coordenação informa ainda que na manhã desta quarta-feira, 22/09, durante o procedimento de chamada nominal, um dos detentos do presídio não respondeu às ordens, instante em que os agentes plantonistas ao verificarem encontrou o específico preso dentro de uma das celas da CPP. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionado e atestou o óbito do detento.

O custodiado cumpria pena no local com base no artigo 121 do Código Penal Brasileiro – Homicídio.

Diante do ocorrido, foram abertos procedimentos administrativos internos para apuração dos fatos. O caso também foi repassado à Polícia Civil para as investigações pertinentes.