É gravíssimo estado de saúde de gêmeas siamesas, diz hospital

Vaso que ligava os dois corações tornou procedimento muito complicado.


//

Segundo o último boletim médico divulgado pelo Hospital Materno Infantil (HMI), é gravíssimo o quadro de saúde das gêmeas siamesas nascidas na unidade no último dia 10/12.

Anny Beattriz e Anny Gabrielly, que nasceram unidas pelo tórax e que compartilham o fígado foram separadas neste sábado (3/01) após uma cirurgia de urgência. A equipe médica decidiu realizar a operação após o estado de saúde delas piorar.

De acordo com o hospital, elas estão internadas na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal do hospital e respiram com ajuda de aparelhos.

Leia o boletim médico na íntegra:

“O Hospital Materno Infantil (HMI) informa que é gravíssimo o quadro de saúde das gêmeas A.B. e A.G., separadas ontem, 03 de janeiro, na unidade. Elas estão internadas na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal do hospital e respiram com ajuda de aparelhos. As crianças, que nasceram no HMI no dia 10 de dezembro de 2014, nasceram com 37 semanas e eram unidas pelo tórax e abdômen, compartilhando o fígado.

Ao todo, 12 profissionais, entre cirurgiões pediátricos, médicos intensivistas, anestesistas, cardiologista, nefropediatra e enfermeiros participaram da cirurgia, que durou cerca de cinco horas. Segundo o cirurgião pediátrico Zacharias Calil, houve a intercorrência de uma parada cardíaca numa das siamesas, revertido na sala cirúrgica.

“O coração delas estava mesmo ligado por um vaso de grosso calibre; tivemos que romper e suturar essa ponte cardíaca”, relata ele sobre o momento mais tenso da operação. A separação do fígado, compartilhado por elas, também foi bastante delicada. “