Em chegada ao Goiás, Luan destaca que irá agregar em experiência e mentalidade vencedora no time

Luan não atua desde julho de 2021, quando jogou pela Segunda Divisão do Campeonato Japonês, pelo V-Varen Nagasaki

Atacante Luan
Atacante Luan é apresentado no Goiás. Foto: Rosiron Rodrigues - Goiás

Aos 31 anos, o atacante Luan foi apresentado no Goiás nesta segunda-feira (14). O jogador chega com vasta experiência no futebol brasileiro, foram 7 anos de Atlético-MG, onde ele conquistou uma Libertadores, uma Copa do Brasil, além de 3 campeonatos estaduais. No esmeraldino, o jogador espera poder ajudar com experiência e sua mentalidade vencedora.

“Temos uma boa bagagem e muita experiência. Posso agregar ajudando os mais jovens no dia a dia, passar a experiência para formarmos uma família de jogadores vencedores. Tem muitos jogadores experientes no elenco e temos essa responsabilidade de dividir com os mais jovens tudo que vivemos. Vim aqui para agregar e ajudar o Goiás nas competições”, disse o atacante.

Apesar da vontade de estrear logo, Luan terá um tempo com a preparação física, já que na última temporada jogou apenas 18 partidas pelo V-Varen Nagasaki, do Japão. O último jogo do atleta foi no dia 11 de julho, pela Segunda Divisão do Campeonato Japonês.

“Eu vinha treinando em casa, mas não é a mesma forma de treinar no clube, com profissionais adequados. Estou ansioso por poder estrear, voltar a jogar em alto nível no futebol brasileiro. Tenho muita energia para gastar ainda. Vou me dedicar ao máximo no dia a dia e nos jogos para dar o máximo com a camisa do Goiás”, comentou.

Passagem pelo futebol goiano

Essa não será a primeira vez que Luan atua no futebol goiano. Antes mesmo de virar profissional, aos 16 anos, o atacante, que chegou em Quirinópolis para trabalhar em uma usina de cana de açúcar, jogou pelo time local em campeonatos regionais. O atleta também teve passagens pelo futsal na cidade de Rio Verde.

“Sou de Alagoas e vim para Quirinópolis trabalhar na usina. Meus primos apostavam muito em mim, e o pequeno da família conseguiu horar a família. Cheguei a jogar futsal, joguei por uma equipe de Rio Verde, tive uma proposta tentadora, mas amava o campo e voltei para Quirinópolis, onde joguei muitos regionais, antes de sair. Foi apenas uma no, mas que foi fundamental para mim chegar onde estou hoje”, relembrou.