Especialistas afirmam que diabetes ‘está saindo do controle’ após aumento de casos da doença em 2021

Doença já acomete 537 milhões de pessoas em todo mundo apenas em 2021

Especialistas afirmam que diabetes 'está saindo do controle' após aumento de casos da doença em 2021 (Foto: Marcos Santos/USP Imagens)
Especialistas afirmam que diabetes 'está saindo do controle' após aumento de casos da doença em 2021 (Foto: Marcos Santos/USP Imagens)

Diversos especialistas estão afirmando que o diabetes está “saindo do controle” após o Atlas da doença mostra o aumento de confirmação em 2021. Os dados preliminares foram divulgados nesta semana pela Federação Internacional de Diabetes (IDF).

De acordo com o levantamento, houve alta de 16% de casos da doença em adultos – de 20 a 79 anos – em todo mundo. A publicação da última edição da entidade, realizada em 2019, mostrava que 463 milhões de pessoas estavam com a doença. O número saltou para 537 milhões.

Dessa forma, um a cada 10 adultos desenvolveram a doença. Apenas este ano, a enfermidade foi responsável por 6,7 milhões de mortes em todo mundo. Isso significa um óbito pela doença a cada cinco segundos.

O que os especialistas dizem sobre o descontrole da diabetes

A endocrinologista Rosa Kupfer destaca que essa constatação se dá pelo fato das confirmações de pessoas com diabetes ultrapassarem às projeções realizadas pela IDF. A federação projetava que, até 2030, o número de diabéticos chegaria a 578,4 milhões. Porém, até o momento, 64% dos aumento projetado para 2030 já ocorreu.

As novas projeções são de que 643 milhões de adultos terão a doença em 2030 e 784 milhões em 2045. Outro dado preocupante da instituição é que quase metade dos diabéticos não sabem que têm a doença.

Sem o tratamento adequado, a diabetes pode trazer complicações grandes à saúde, como problemas do coração, lesões nos rins, cegueira e levar a morte.

“A federação ainda aponta que quatro a cada cinco adultos diabéticos vivem em países com baixa renda. São vários os fatores que explicam esse dado. Primeiro, que nos países de baixa e média renda falta acesso à informação, ao diagnóstico e ao tratamento. Além disso, a má alimentação, rica em carboidratos e gorduras, é um grande fator de risco para o diabetes. Nem sempre a população desses países tem acesso a uma dieta balanceada”, aponta a endocrinologista.

O aumento descontrole da doença também preocupa o fato de ainda enfrentarmos a pandemia do novo coronavírus e a enfermidade acaba sendo fator de piora do prognóstico de pacientes confirmados com a Covid-19, levando a internação e até a morte.

O diabetes não costuma apresentar sintomas no começo. Por isso, é importante fazer os exames de rotina. Fome frequente, sede constante, feridas que demoram a cicatrizar, vontade de urinar várias vezes ao dia e formigamento nos pés e mãos são alguns dos sinais da doença.

A prevenção é feita com uma alimentação balanceada, rica em verduras e legumes, a prática regular de atividade física e o controle de outras doenças crônicas pré-existentes, como hipertensão ou colesterol alto.

*Com informações do Jornal O Globo