FolhaPress

Estados terão que rever afrouxamento de ações contra Covid, diz presidente do Conass

Carlos Lula diz que pode ser necessário retomar uso de máscaras em locais abertos e limitar eventos, como jogos de futebol

Carlos Lula diz que ministério dedica tempo demais à CPI enquanto poderia negociar novas doses da AstraZeneca
Secretários de Saúde reagem e decidem que não vão exigir prescrição para vacinar crianças (Foto: divulgação/Governo do Maranhão)

Presidente do Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde), Carlos Lula, secretário de Saúde do Maranhão, diz que a descoberta da nova variante da Covid-19 fará os estados repensarem a flexibilização de medidas contra o coronavírus.

Para Lula, decisões tomadas por governadores, como desobrigar o uso de máscaras em locais públicos, e a capacidade de público de eventos privados e públicos, como jogos de futebol, precisão ser repensados.

“Mesmo em local aberto, faz sentido proteger pelo menos quem é mais suscetível, é idoso, tem comorbidade”, avalia Lula.

O governador maranhense, Flávio Dino (PC do B-MA), foi um dos que tornaram facultativo o uso de máscaras em lugares abertos.

A adoção de medidas mais restritivas, no entanto, é vista como de difícil implementação pelos secretários de Saúde.

Eles usam casos de países europeus, que registraram protestos violentos, como exemplos da dificuldade e dizem que no Brasil, considerando que 2022 será ano eleitoral, o cenário tende a ser ainda pior.

O Conass fará uma reunião nesta semana para debater ações que devem ser adotadas frente à descoberta da ômicron, como foi batizada a nova cepa da Covid.

De antemão, os secretários também defendem que o Brasil faça doação de vacinas a países africanos para tentar conter o alastramemto da Covid no continente. Segundo Carlos Lula, houve muita sobra de Coronavac nos estados e é possível dá-las a países que necessitem.