Ex-cunhado e amigos são indiciados por morte de jovem com 74 facadas, em Formosa (GO)

Os três suspeitos deverão responder pelo crime de homicídio duplamente qualificado

A Polícia Civil prendeu duas pessoas suspeitas de matar Wanderson Pereira Marcelo com 74 facadas, na cidade de Formosa, no Entorno do Distrito Federal (DF). Crime aconteceu na madrugada do dia 17 de abril deste ano, próximo a uma residência no Setor Dom Bosco. A ação que culminou na prisão dos suspeitos, no entanto, ocorreu somente na tarde desta terça-feira (31).
Wanderson Pereira Marcelo foi assassinado com 74 facadas, em Formosa (Foto: Divulgação – PC)

A Polícia Civil indiciou três homens suspeitos de matar Wanderson Pereira Marcelo no dia 17 de abril deste ano, com 74 facadas, em Formosa. Dois dos suspeitos estão em prisão preventiva. Um deles é ex-cunhado da vítima.

Os três suspeitos deverão responder pelo crime de homicídio duplamente qualificado, cujas penas podem chegar a 30 anos de prisão.

Ao longo das investigações, a polícia descobriu que Wanderson e o ex-cunhado eram inimigos. A rivalidade decorreria do fato de a vítima já ter agredido o ex-sogro e a ex-namorada.

Perseguição antes das 74 facadas

No dia do crime, a polícia afirmou que Wanderson teria procurado o ex-cunhado e iniciado a confusão, que culminou em sua morte. O ex-cunhado, acompanhado de dois amigos, perseguiram Wanderson por cerca de quarto quarteirões e mataram-no.

Próximo a uma casa no setor Dom Bosco, o trio teria alcançado Wanderson e iniciado as agressões. A vítima foi encontrada morta com múltiplos ferimentos e forte cheiro de urina. A perícia afirma que, depois que o jovem foi assassinado, suspeitos urinaram no corpo dele.

Ainda de acordo com a investigação, Wanderson sofreu um disparo de arma de fogo no braço, vários golpes de capacete na cabeça e 74 facadas no corpo. Os suspeitos também usaram uma pedra para golpear a cabeça da vítima, que morreu por traumatismo craniano.

Suspeitos negam crime

Durante o interrogatório os dois suspeitos presos negaram a participação no crime. O delegado Danilo Meneses detalha que, antes da prisão, ambos já haviam sido ouvidos e teriam mentido durante o depoimento.

O ex-cunhado de Wanderson possui antecedentes criminais por tráfico de drogas. Enquanto o comparsa dele nunca havia sido preso. O suposto terceiro autor do crime ainda não foi detido.

O Mais Goiás não conseguiu contato com a defesa de nenhum dos suspeitos, até o momento da publicação da reportagem.