Ex-patroa de Madalena da Silva diz que não pagava salário porque a considerava “da família”

Vídeo em que doméstica demonstrou medo de segurar a mão de repórter branca comoveu a web

Doméstica medo de segurar mão de repórter branca. Ex-patroa de Madalena da Silva diz que não pagava salário porque a considerava
(Foto: reprodução Tv Globo)

Na última semana viralizou na web o vídeo de Madalena Santiago da Silva, de 62 anos. A idosa foi resgatada de um trabalho análogo à escravidão e chorou bastante durante uma reportagem da TV Bahia, filiada da TV Globo. Madalena, que é negra, ficou emocionada ao segurar a mão da repórter Adriana Oliveira, que é branca. Isso porque a idosa, quando vivia com os antigos patrões, era maltratada e sofria racismo. Além disso, Madalena não recebia salário. Agora, a ex-patroa Sônia Seixas Leal, afirmou ao Ministério do Trabalho que não pagava o salário da doméstica porque a considerava “da família”.

No período que trabalhou para Sônia, Madalena afirma que acumulou dívidas feitas pela patroa. A idosa ainda foi vítima de um golpe da filha de Sônia, que fez empréstimos no nome de Madalena e ficou com R$ 20 mil da aposentadoria da doméstica.

De acordo com a auditora Liane Durão, para cada irregularidade cometida será aberto um auto de infração e que, atualmente, o Ministério do Trabalho já tem de 10 a 12 autos.

Creuza Oliveira, presidente do Sindicato dos Trabalhadores Domésticos da Bahia, diz que as declarações de Sônia Seixas Leal configuram como crime de assédio moral.

“É uma forma que a pessoa usa para poder não garantir os direitos da empregada doméstica. E essa trabalhadora não é da família, ela está vendendo a sua mão de obra para uma pessoa que precisa do serviço”, pontuou Creuza em entrevista ao G1.

“Se ela fosse da família, teria direito a herança, teria direito a usar o elevador social, piscina, fazer faculdade e estudar, como a família faz”, seguiu.

Durante a reportagem da TV Bahia, Madalena disse que, quando trabalhava para a família de Sônia, era constantemente maltratada e xingada de “negra desgraçada”.

Atualmente, a idosa vive com familiares e recebe seguro desemprego e um salário mínimo de ação cautelar movida pelo MPT contra os antigos patrões.

Vídeo emocionou internautas

Durante a reportagem da TV Bahia, Madalena disse que tinha medo de segurar a mão da repórter, que é branca. “Fico com receio de pegar na sua mão branca”, disse. Emocionada, a jornalista Adriana Oliveira estendeu as mãos para a idosa. “Mas por quê? Tem medo de que?”.

Madalena responde que achava feio colocar as mãos por cima de uma mão branca. “Porque ver a sua mão branca. Eu pego e boto a minha em cima da sua e acho feio isso”, explicou.

Adriana abraçou a idosa e disse que ambas tinham direitos iguais independente da questão racial. “Sua mão é linda, sua cor é linda. Olhe para mim, aqui não tem diferença. O tom é diferente, mas você é mulher, eu sou mulher. Os mesmos direitos e o mesmo respeito que todo mundo tem comigo, tem que ter com você”.

Nas redes sociais, internautas se revoltaram com a história relatada pela doméstica. “Inacreditável e vergonhoso ver uma matéria desta em pleno século XXI”, “O ódio tomou conta de tudo… sempre existiu, mas parece que tudo piorou nos últimos anos” e “Deveriam expor o rosto e os nomes dessa família de bandidos”, foram alguns dos comentários no Twitter.

Assista ao vídeo:

*Com informações do G1