Fake news: YouTube barra transmissões da Câmara de Goiânia no canal da Escola do Legislativo

Em 2021, a plataforma notificou a casa por vídeo da vereadora Gabriela Rodart (DC) sobre o passaporte vacinal

Câmara de Goiânia retorna na 3ª com 11 projetos e 10 requerimentos
Câmara de Goiânia retorna na 3ª com 11 projetos e 10 requerimentos (Foto: Prefeitura)

Nova notificação do YouTube bloqueou, nesta terça (26), canal da Escola do Legislativo, administrado pela Câmara Municipal de Goiânia. Novamente, a rede social fez alerta contra disseminação de fake news sobre vacinas contra a Covid-19. Interrupção ocorre dias depois da suspensão do canal oficial da casa na plataforma, ocorrida na segunda-feira (25) pelo mesmo motivo.

Agora, ambos os canais só poderão realizar novas divulgações após encerramento do prazo de sete dias, que se encerra na segunda (2/5). Com a medida, a Câmara passa a usar o perfil no Facebook para realizar as publicações.

Câmara tentou contornar a situação

A suspensão da segunda conta no YouTube ocorreu depois que a Câmara tentou transmissão das atividades legislativas pelo canal da Escola do Legislativo, mesmo após aviso e bloqueio da rede oficial.

Comunicado

No comunicado feito ontem, o YouTube afirma que “se reserva o direito de restringir a criação de conteúdo de acordo com os próprios critérios”, e que “caso sua conta tenha sido desativada ou restringida de usar recursos do YouTube, você não poderá usar outro canal para contornar essas penalidades”.
Alerta ainda que “essa regra se aplicará a todo o período em que a restrição estiver ativa” e que “considera a violação dela um descumprimento dos nossos Termos de Serviço, o que pode levar ao encerramento da sua conta”.

Com a nova restrição, a área técnica da TV Câmara Goiânia busca alternativa para as transmissões das atividades do Poder Legislativo durante o período de suspensão pelo YouTube, que se encerra na próxima segunda-feira, 2 de maio.

Entenda

Em setembro do ano passado, a plataforma emitiu a primeira notificação após a transmissão de uma audiência pública realizada pela vereadora Gabriela Rodart (DC) sobre o passaporte vacinal. Vídeo compartilhou “informações médicas inverídicas”, segundo o Youtube.

A segunda, que não teve detalhes sobre quais motivos culminaram a notificação, ocorreu no último domingo (24), com base em transmissão de 31 de agosto do ano passado da sessão plenária. Na data, também tiveram falas contra a vacina, mas o Youtube disse, apenas, que houve conteúdo impróprio.

Segundo nota da Câmara Municipal, o YouTube apresentou os conteúdos considerados inapropriados de forma genérica, classificados como “informações médicas inverídicas”. A primeira citação se refere a conteúdo transmitido em 31 de agosto de 2021. A segunda, em 17 de setembro do ano passado.

No primeiro caso, a denúncia de usuários foi feita na mesma data. No segundo episódio, a denúncia de conteúdo inapropriado foi feita no dia último dia 24 de abril.

A menção ao dia 31 se refere a horário em que estava sendo transmitida a sessão plenária. No caso do dia 17 de setembro, menciona audiência pública realizada no período da tarde. A Câmara diz que não é possível saber a que trechos ou declarações elas se referem.

Em nota, a Diretoria de Comunicação da Câmara de Goiânia informou que atua para garantir a transmissão regular de suas atividades parlamentares, conciliando as regras estabelecidas pelas plataformas (que por sua vez cumprem normas definidas pelas instituições competentes) e o exercício dos mandatos.

Leia a nota completa da Câmara Municipal

Em cumprimento a nova restrição estabelecida pelo YouTube, a Câmara de Goiânia está suspendendo as transmissões ao vivo de suas atividades legislativas também no canal da Escola do Legislativo. A TV Câmara Goiânia foi informada no final da tarde desta terça-feira (26) pelo escritório da plataforma no Brasil que não é permitido o uso de outro canal da plataforma para transmissões ou postagens enquanto a suspensão de sete dias imposta na última segunda-feira (25) pela rede social estiver ativa.

“O YouTube também se reserva o direito de restringir a criação de conteúdo de acordo com os próprios critérios. Caso sua conta tenha sido desativada ou restringida de usar recursos do YouTube, você não poderá usar outro canal para contornar essas penalidades. Essa regra se aplicará a todo o período em que a restrição estiver ativa. Consideramos a violação dela um descumprimento dos nossos Termos de Serviço, o que pode levar ao encerramento da sua conta”, afirma o comunicado da plataforma.

Com a nova restrição, a área técnica da TV Câmara Goiânia busca alternativa para as transmissões das atividades do Poder Legislativo durante o período de suspensão pelo YouTube, que se encerra na próxima segunda-feira, 2 de maio. Na manhã desta segunda-feira (25), a TV Câmara de Goiânia foi comunicada pela rede social, no ambiente da administração da plataforma, da aplicação de suspensão temporária de 7 dias por descumprimento de normas de uso.

No informe, o YouTube apresenta os conteúdos considerados inapropriados de forma genérica, classificados como “informações médicas inverídicas”. A primeira citação se refere a conteúdo transmitido em 31 de agosto de 2021. A segunda, em 17 de setembro do ano passado. No primeiro caso, a denúncia de usuários foi feita na mesma data. No segundo episódio, a denúncia de conteúdo inapropriado foi feita no dia último dia 24 de abril.

A menção ao dia 31 se refere a horário em que estava sendo transmitida a sessão plenária. No caso do dia 17 de setembro, menciona audiência pública realizada no período da tarde. Em ambos os casos, não é possível saber a que trechos ou declarações elas se referem. Em nota, a Diretoria de Comunicação da Câmara de Goiânia informou que atua para garantir a transmissão regular de suas atividades parlamentares, conciliando as regras estabelecidas pelas plataformas (que por sua vez cumprem normas definidas pelas instituições competentes) e o exercício dos mandatos.