FolhaPress

Felipe Araújo revela novidades sobre o próximo álbum

"Tem muita coisa bacana para 2021", comentou o sertanejo

Felipe Araújo revela novidades sobre o próximo álbum
(Foto: Divulgação)

Acostumado a uma rotina intensa, Felipe Araújo, 25, não parou nem na pandemia. Apesar de não haver shows, o cantor sertanejo lançou a primeira parte do EP “Outros 500”, em fevereiro, e se prepara para a divulgação da sequência em maio. Além disso, tem movimentado suas redes sociais e promete novos lançamentos.

“Tem muita coisa bacana para 2021”, comenta ele. A continuação de “Outros 500” promete explorar uma parte mais sentimental das músicas do cantor, segundo ele as faixas serão “um pouco mais românticas e mais voltadas para o sentimento”.

O artista diz que não pode adiantar muito sobre o projeto, mas que “além da segunda parte desse EP, terão muitas músicas inéditas para a galera”. Araújo afirma que para o meio do ano pretende lançar um novo trabalho, desta vez, envolvendo outro ritmo musical.

“Na segunda metade do ano vem um projeto muito legal envolvendo pagode, sertanejo e futebol”, começa o artista que logo afirma não ter muitos detalhes do novo trabalho. “Não posso contar muita coisa ainda, mas terá várias participações incríveis”.

No entanto, em entrevista à reportagem, ele revela que uma das parcerias do novo projeto será com o cantor Bruno Cardoso, 40, do grupo Sorriso Maroto. “É a única [participação] que eu posso adiantar”, afirma. O cantor garante que virão “coisas muito bacanas”, ao longo do ano.

Quanto a primeira parte do EP, o músico conta que apostou nas redes sociais e nos streamings como aliados à divulgação. “Hoje, a Internet e os aplicativos são importantes para a música de modo geral”, comenta.

“Antigamente o modo de divulgar suas músicas músicas era compondo um CD ou um álbum. Hoje em dia está tudo na tela do celular e está muito fácil”, reflete. Araújo fez desafios que se tornaram virais nas redes para as faixas “Você Não Vale” (2020) e “Mais Um” (2020).

“Me divirto demais com as redes sociais, desafios e conteúdos que o pessoal cria”, conta. “Na música ‘Você Não Vale’ criamos o desafio e o pessoal começou a fazer muita brincadeira com o conteúdo. Virou algo até cômico”.

O artista afirma que o público vindo das redes sociais é fundamental e faz “uma diferença tremenda nas músicas”. Araújo fala que o fenômeno é muito visto no aplicativo TikTok. “No aplicativo, músicas de 11 anos atrás voltaram a fazer sucesso”.

“É muito importante a força do TikTok e também das redes sociais”, conclui ele. “É algo surreal”. Além dos desafios na Internet, o artista também aposta em parcerias musicais em seu repertório.

O single promocional “Mais Um” foi gravado em conjunto com a dupla sertaneja Matheus e Kauan. “Quando eu convidei eles para fazer parte dessa música, no outro dia eles já gravaram a voz e já gravaram o clipe, foi algo incrível”, relembra o cantor.

Felipe Araújo afirma que passou mal quando ia comprar pamonha

RITMOS E PARCERIAS

Felipe Araújo conta que através das parcerias também pode realizar o objetivo de conhecer vários ritmos e estilos musicais. O sucesso “Você Não Vale”, por exemplo, é uma participação de Japinha Conde, 20, da banda Conde do Forró.

“Sou apaixonado por música. Gosto de tudo, de todas as formas de música”, diz o cantor. Ele relembra que já teve a oportunidade de unir o sertanejo com muitos estilos musicais. Como, por exemplo, com o pop na faixa “Clichê” (2019), com Ludmilla, 25.

O cantor se aventurou pelo trap e rap na música “Qual É Dessa Mina?” (2020), com o cantor PK, 23; também explorou o pagode com o sucesso “Atrasadinha” (2018), ao lado de Ferrugem, 32; e gravou a música “Aeroporto” (2019) com Léo Santana, 32.

Araújo, no entanto, não quer se aventurar apenas em estilos diferentes ao seu. O próprio sertanejo ainda tem muito para ser explorado, afirma ele, que aponta a possibilidade de regravar canções antigas, dos anos 1980, com seu pai.

“Quero fazer um projeto cantando eu e o meu pai com músicas da época que ele tinha a minha idade”, afirma. “Nunca conversamos muito sobre o assunto, mas fica na minha cabeça. Tenho muita vontade de que aconteça isso um dia”.

Para o futuro, o cantor diz que sente saudades de fazer shows e apresentações. “Estou na expectativa de tudo voltar ao normal para poder voltar a fazer shows e subir nos palcos porque eu tenho muita saudade disso. Mas enquanto isso não acontece, ele garante que “tem muita coisa boa vindo por aí”.

FAMÍLIA

E se por um lado a pandemia interrompeu os shows por ai, Felipe Araújo afirma que também conseguiu passar mais tempo com a família. “Foi um momento de muita reflexão, em que olhamos mais para dentro, e eu, particularmente, aprendi muita coisa”, afirma ele.

O músico conta que antes da pandemia vinha seguindo mantendo sua agenda bastante lotada, chegando a fazer 20 apresentações por mês. “Passava dias sem voltar para casa e sem ver minha família”, relembra ele, que é pai de Miguel, de apenas 2 anos.

A família entende a correria da vida de Felipe Araújo. Ao todo, são quatro gerações de músicos, desde seus bisavós. Antes dele, seu irmão mais velho, Cristiano Araújo, também tinha rotina semelhante. O músico, no entanto, morreu no auge de sua carreira, em 2015, aos 29 anos, em um acidente de carro.

Cristiano completaria 35 anos em janeiro deste ano. Para marcar a data, a gravadora Som Livre anunciou o lançamento, ainda este ano, de faixas inéditas do cantor. O projeto vai incluir versões de músicas de outros artistas na voz de Cristiano, bem como faixas dele gravadas agora por outros sertanejos.

Ex de Felipe Araújo diz que foi humilhada no SuperPop; Luciana Gimenez responde