Feminicídios no 1º semestre de 2022 atingem maior marca em Goiás desde 2018

Ano após ano, cada vez mais mulheres têm perdido suas vidas para a violência no Estado

O primeiro semestre de 2022, em Goiás, registrou o maior número de casos de feminicídio dos últimos quatro anos. Dados da Secretaria Estadual de Segurança Pública (SSP-GO) revelam que, de 2018 para cá, a quantidade de mulheres assassinadas dobrou, de 15 para 30 ocorrências. A primeira metade de 2022 também lidera o número de casos de calúnia, difamação e injúria contra mulheres.
Goiás: 1° semestre de 2022 tem o maior número de casos de feminicídio dos últimos quatro anos (Foto ilustrativa: Reprodução - FreePik)

O primeiro semestre de 2022, em Goiás, registrou o maior número de casos de feminicídio dos últimos quatro anos. Dados da Secretaria Estadual de Segurança Pública (SSP-GO) revelam que, de 2018 para cá, a quantidade de mulheres assassinadas dobrou, de 15 para 30 ocorrências. A primeira metade de 2022 também lidera o número de casos de calúnia, difamação e injúria contra mulheres.

Informações de violência contra a mulher passaram a ser divulgadas em Goiás pela SSP a partir de 2018. Ou seja, três anos depois que a Lei do Feminicídio entrou em vigor no país. Através disso, é possível afirmar que, ano após ano, cada vez mais mulheres têm perdido suas vidas para a violência no Estado.

Para se ter noção, durante todo o ano de 2018, 36 mulheres foram vítimas de feminicídio em Goiás. Neste ano, somentes em seis meses, esse número já é de 30 vítimas.

A maioria dos casos de 2022 (7) ocorreu ainda no mês de janeiro. Outras seis mortes foram registradas em fevereiro, três em março, seis em abril, quatro no mês de maio e outros quatro casos em junho.

Os crimes de feminicídio costumam ser marcados por grande violência e, majoritariamente, ocorrem por motivos fúteis, como ciúmes dos companheiros das vítimas.

Um exemplo disso, é que no final de abril deste ano, um homem matou a esposa asfixiada no quarto de casa, em Goiânia, após uma discussão banal. A filha da mulher, de apenas 6 anos de idade, assistia televisão na sala, sem saber que a mãe havia acabado de ser assassinada.

Casos de feminicídio em anos completos

Em análise apenas dos dados de anos completos (2018 até 2021), a realidade é semelhante a vista neste primeiro semestre. Ou seja, a medida que os anos passam, os números de mulheres assassinadas cresce.

Como já foi dito, em 2018, 36 mulheres foram vítimas de feminicídio em Goiás. No ano seguinte, o número subiu para 40 óbitos. Em 2020, foram 44 mulheres mortas. Em 2021, 54 morreram.

Crimes contra honra

Os casos de feminicídio não são os únicos em alta em Goiás, durante o primeiro semestre de 2022. Ocorrências que envolvem calúnia, difamação e injúria contra mulheres também foram recordes neste ano, com 5.346 casos.

Da mesma forma que em casos de mulheres assassinadas, as vítimas de crimes contra a honra também têm crescido ano após ano.

Na primeira metade de 2021, por exemplo, foram 5.202 casos; o mesmo período em 2019 teve 4.629 ocorrências; 2020 registrou 4.189 e, por fim, 2018 teve 2.088.

Denuncie

De acordo com a própria SSP, muitas mulheres vítimas de violência seguem sofrendo sem denunciar os crimes. Grande parte, por medo de represálias. Isso significa que os números violência contra mulher de cada ano podem ser ainda maiores.

Ajude a denunciar esses crimes. O ‘Ligue 180’ escuta e acolhe mulheres em situação de violência. O serviço registra e encaminha denúncias aos órgãos competentes, bem como reclamações, sugestões ou elogios sobre o funcionamento dos serviços de atendimento.