Gás carbônico é usado na fabricação de joias que podem custar mais de R$ 246 mil

São removidas 20 toneladas de CO² do ar para cada quilate de diamante que é vendido

Gás carbônico é usado na fabricação de joias que podem custar mais de R$ 246 mil
Gás carbônico é usado na fabricação de joias que podem custar mais de R$ 246 mil - (Foto: Divulgação)

Uma empresa de Nova Iorque cria joias com diamante feito a partir de gás carbônico capturado da atmosfera. Segundo o fundador e CEO da Aether Diamonds, as joias fabricadas com pedras preciosas à base de monóxido de carbono podem custar entre US$ 1.000 (R$ 5.480) e US$ 45.000 (R$ 246.600).

Ryan Shearman afirma, que atividade remove 20 toneladas de CO² do ar para cada quilate de diamante que é vendido. Seria o equivalente a cerca de 4,3 piscinas olímpicas cheias desse gás tóxico.

Como é feito o diamante com gás carbônico?

A Aether Diamonds explica em seu site oficial, que após aspirar o ar, o CO2 é capturado por um filtro especial. Em seguida, ele é transformado numa matéria-prima chamada hidrocarboneto, que será usado na criação desses diamantes.

Os hidrocarbonetos são colocadas em reatores que criam o ambiente ideal para a produção de um diamante. Isso significa que na pressão adequada, os átomos de carbono são induzidos a se alinharem para formar um cristal perfeito.

Segundo a empresa, um diamante leva de três a quatro semanas para chegar à “perfeição” estética e estrutural. Depois seguem para os ourives para serem lapidadas e polidas e transformadas em joias.