Goiana é impedida de deixar o Reino Unido por causa de mutação no coronavírus

Contadora Ceres Elisa Silva se diz apreensiva pelo fato de não saber quando poderá voltar para casa

Ceres Elisa em Londres (Foto: Arquivo pessoal)

As medidas de restrição à circulação de pessoas que o governo do Reino Unido decretou depois da descoberta de uma mutação do coronavírus, no dia 14 de dezembro, afetaram os planos da goianiense Ceres Elisa da Silva, de 26 anos. Ceres já estava com as malas prontas para voltar para o Brasil, mas teve que ficar.

A contadora foi a Londres para visitar a mãe, residente no país há cerca de 17 anos, e passar com ela 30 dias. “Tinha dois anos que eu não a via e surgiu a oportunidade de tirar férias e vir para cá. Eram 30 dias certinhos, mas ninguém previu essa mutação e eles cancelaram o voo”, diz Ceres.

A contadora se diz preocupada com o tempo que pode levar até que ela consiga voltar ao Brasil. “O que me preocupa é essa incerteza, é muito ruim ficar sem saber quando vou poder voltar. Sou privilegiada de conseguir trabalhar por home office e estar na casa da minha mãe, mas tem outras pessoas que precisam pagar hotel e não têm a mesma sorte”, afirma Ceres.

O voo da contadora com destino ao Brasil estava marcado para dia 10 de janeiro. Ela só ficou sabendo do cancelamento graças à agência de viagem que havia contratado. “A atendente me disse ‘temos a opção de reembolso ou remarcarmos’ e escolhi remarcar, mas para isso também está sem previsão”.

Restrições

Aeroporto em Londres: países europeus suspendem voos por causa da variação do coronavírus (Leon Neal/Getty Images)

Além do Brasil, pelo menos outros 40 países vetaram a entrada de voos vindos do Reino Unido. De acordo com o Consulado do Brasil em Londres, está proibido o embarque para o Brasil de estrangeiro que tenha estado no Reino Unido nos 14 dias anteriores à viagem.

A portaria exige teste de covid-19 com resultado negativo para embarcar em viagens ao Brasil a partir de 30 de dezembro. O teste deverá ser realizado até 72 horas antes do embarque, em laboratório reconhecido pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), com exceção de crianças menores de 12 anos acompanhados de responsáveis.

A Latam Airlines, companhia pela qual Ceres voltaria para casa, afirmou que a retomada dos voos está sujeita à determinação das autoridades.

O Itamaraty não respondeu ao Mais Goiás quantos brasileiros foram afetados pelas novas medidas de restrição ou qual apoio será a eles prestado. Em entrevista à Globo News, o enfermeiro Francisco Santana afirmou existir um grupo de 119 pessoas impedido de voltar ao Brasil e sem receber auxílio do governo brasileiro.

Esperança

Frascos rotulados como de vacina contra Covid-19 em frente a logo da AstraZeneca em foto de ilustração 31/10/2020 (Foto: REUTERS/Dado Ruvic)

Em um anúncio feito nesta segunda-feira (28), o ministro oficial de gabinete do Reino Unido, Michael Gove, afirmou que a aprovação da vacina britânica contra covid-19 pode acelerar o encerramento das restrições.

O Reino Unido já está aplicando a vacina desenvolvida pela Pfizer, em parceria com a BioNTech e busca a aprovação do imunizante desenvolvido pela AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford.