Goiânia registra aumento de 13,2% de Síndrome Respiratória em 14 dias

Até pelo menos o final de novembro de 2020, a Saúde local registrava queda constante no número de pacientes

A taxa de ocupação de enfermarias destinadas ao tratamento da Covid-19 chegou a 119,91% na rede estadual de Goiás, na manhã desta quinta (20) (Foto: Jucimar de Sousa / Mais Goiás)
Leitos de enfermaria (Foto: Jucimar de Sousa / Mais Goiás)

Os casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) em Goiânia aumentaram 13,2% em 14 dias, segundo a média móvel registrada pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS). O levantamento consta em nota técnica produzida pela pasta que embasa o decreto que prorroga por mais 7 dias as medidas de isolamento social na capital. Os dados vão até o dia 15 de fevereiro.

O gráfico elaborado pela SMS aponta que os casos da doença, que ainda não possuem confirmação de Covid-19, mas classificadas como SRAG, registraram crescimento a partir, sobretudo, da primeira quinzena de dezembro do ano passado. Até pelo menos o final de novembro de 2020, a pasta constatava queda constante no número de pacientes com casos de problemas respiratórios entre moradores de Goiânia.

O maior número de casos registrados ocorreu em agosto do ano passado, com pico que chega próximo a 80 registros e média móvel acima de 50. Já em setembro, os registros diminuem até meados de novembro, quando a média fica abaixo de 10.

A partir de então ocorre aumento que chega a um platô de média de 30 casos diários, que dura praticamente 15 dias, até o dia 15 de fevereiro.

Leitos

Na mesma nota, a pasta diz que houve incremento de 21,5% da quantidade de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para pacientes com covid-19 na rede municipal, passando de 209 para 254 leitos. Essa ampliação deve-se ao aumento da taxa de ocupação de leitos devido a registro de aumento de ocupação, chegando a valores próximos a 90%.