Goiás chega aos 78 anos em momento de turbulência

Esmeraldino é o maior campeão estadual, com 28 conquistas

Foto: Reprodução/Goiás

Não se pode dizer que o Goiás vive uma fase de ouro ao comemorar, neste dia seis de abril, os seus 78 anos de fundação. O que se sobressai – quando o assunto é a realidade do maior campeão do torneio estadual de futebol – são dívidas e problemas dentro de campo. A celebração ficou restrita às redes sociais. Em perfis oficiais, o clube falou de tradição e da força que tem no cenário local e nacional.

“O fato é que o nosso passado nos tornou mais exigentes com o nosso presente e muito mais com o nosso futuro. Estamos satisfeitos com o nosso clube nos últimos anos? É claro que não! Por isso estamos reestruturando todo o Goiás Esporte Clube, para devolver a você torcedor, a capacidade não só de sonhar, mas de conquistar, comemorar e de devolver a sua alegria!”.

Se atualmente o torcedor esmeraldino chorou mais do que sorriu, com três rebaixamentos para a Série B nos últimos anos e times de qualidade duvidosa, alguns se apegam a história para comemorar e ainda sonhar com a volta por cima da equipe. O clube que foi 28 vezes campeão estadual também é a equipe goiana que mais participou da elite do futebol nacional, foram 41 edições da Série A.

Em  competições internacional o Goiás também é o único goiano que disputou uma edição da Libertadores da América, em 2006. Além de 8 participações na Copa Sul-Americana, sendo vice-campeão em 2010.

Ídolos também o Goiás está cheio, com grandes nomes que marcaram época com a camisa esmeraldina e muitos deles formados na base esmeraldina, como Luvanor, Cacau, Fernandão e Dill. Além do maior artilheiro esmeraldino, Araújo, que chegou ainda para o juvenil do time e hoje soma 145 gols com o manto alviverde.

Se em outras épocas o Goiás teve em suas categorias de base suas maiores alegrias, a direção atual volta a apostar nos garotos da Serrinha. Apesar do começo tímido, muitos jovens despontam com uma grande tacada da direção para fazer o time grande novamente.

“O idealismo daqueles homens que em 1943 se uniram para fazer uma nova história no futebol do Brasil tem que voltar para dentro do Clube. O Goiás vai voltar a ser grande e respeitado. O Goiás Esporte Clube não se explica. Se sente. Se vive”, completou o post do time.