Goiás decreta situação de emergência ambiental para prevenção a incêndios florestais

Enquanto o decreto nº 10.126 estiver em vigor fica proibido, em todo o território estadual, o uso de fogo em vegetação

O Governo de Goiás decretou situação de emergência ambiental no Estado por 120 dias. A decisão é uma medida preventiva no combate aos incêndios florestais, que todos os anos consomem grandes áreas do Bioma Cerrado e provocam danos ao meio ambiente, principalmente durante o período de seca.
Goiás decreta situação de emergência ambiental para prevenção aos incêndios florestais (Foto: Jucimar de Sousa - Mais Goiás)

O Governo de Goiás decretou situação de emergência ambiental no Estado por 120 dias. A decisão é uma medida preventiva no combate aos incêndios florestais, que todos os anos consomem grandes áreas do Bioma Cerrado e provocam danos ao meio ambiente, principalmente durante o período de seca.

Com a edição do decreto nº 10.126, os órgãos que integram o Comitê Estadual de Gestão de Incêndios Florestais (Cegif) deverão adotar, conforme suas competências, as medidas necessárias para prevenir ou minimizar as ocorrências e os efeitos dos incêndios florestais.

Enquanto o decreto nº 10.126 estiver em vigor fica proibido, em todo o território estadual, o uso de fogo em vegetação, ressalvados os casos expressamente autorizados pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad).

A titular da Semad, Andréa Vulcanis, destaca que, além de prejuízos irreparáveis ao meio ambiente, as queimadas provocam danos à economia, com a devastação de lavouras e pastagens, além de ocasionar riscos à saúde da população, com a emissão de gases, fuligem e diminuição da umidade relativa do ar.

“Como verificado em quase 100% dos casos, os incêndios florestais são ocasionados por ação humana. Então contamos com o trabalho de conscientização de todos para diminuirmos as queimadas em Goiás”, pontua a secretária.

O decreto também recomenda aos municípios goianos a adoção de medidas para a proibição do uso de fogo como forma de limpeza da vegetação ou eliminação dos resíduos sólidos ou detritos. Segundo a Semad, mesmo com todo o trabalho de conscientização e a disseminação de informação, ainda é comum pessoas atearem fogo no lixo doméstico ou descartar cigarros às margens das rodovias.

Compõem o CEGIF a Semad, Corpo de Bombeiros de Goiás (CBMGO), Polícia militar, Polícia Civil, Polícia Técnico-Científica, Agência Goiana de Assistência Técnica, Extensão Rural e Pesquisa Agropecuária (Emater), Agência Goiana de Infraestrutura e Transportes (Goinfra), Agência Goiana de Defesa Agropecuária (Agrodefesa), secretarias de Estado da Saúde, Educação e Comunicação.

Seca severa contribui para situação de emergência ambiental

Estudos realizados pelo Centro de Informações Meteorológicas e Hidrológicas de Goiás (Cimehgo) indicam permanência de tempo seco, amplitude térmica e baixa umidade relativa do ar em todas as regiões goianas.

Prognósticos são elaborados por meio da Sala de Situação de Monitoramento de Riscos e Desastres Naturais, local onde os técnicos da Semad monitoram o clima, a qualidade da água e do ar, os ricos de queimadas, a segurança hídrica em bacias críticas, entre outros serviços.

O gerente do Cimehgo, André Amorim, explica que nesta época do ano a vegetação do bioma Cerrado funciona como excelente combustível, o que aumenta o risco de incêndios florestais. “Somado a isso, clima seco, altas temperaturas e baixa umidade aumentam a ocorrência de focos de queimadas”.