Goiás registra duas primeiras mortes causadas pela dengue cosmopolita

Os óbitos ocorreram nas cidades de Aparecida e Trindade, na região Metropolitana da capital

O Estado de Goiás registrou duas primeiras mortes causadas pela dengue cosmopolita. Segundo informações da Secretaria de Estado da Saúde (Foto: Fiocruz)
O Estado de Goiás registrou duas primeiras mortes causadas pela dengue cosmopolita. Segundo informações da Secretaria de Estado da Saúde (Foto: Fiocruz)

O Estado de Goiás registrou duas primeiras mortes causadas pela dengue cosmopolita. Segundo informações da Secretaria de Estado da Saúde (SES-GO), os óbitos ocorreram nas cidades de Aparecida e Trindade, na região Metropolitana da capital.

Ainda conforme expõe a SES, foram registrados 7 casos do genótipo 2 do sorotipos 2 do vírus da dengue no território goiano.

Deste total, seis foram detectados em amostras de 2022 e um em 2021. Os registros foram feitos Aparecida (2); Trindade (1); Aragoiânia (1) em Goiânia (3).

O genótipo foi identificado pela primeira vez em Aparecida de Goiânia, no mês de maio, e pode ser considerado mais agressivo que outros tipos da doença. Ele também é considerado o mais transmissível do mundo.

Entenda a dengue cosmopolita

Historicamente, existem quatro tipos de dengue conhecidos, sendo o tipo 2 o que mais causa casos graves, em que as pessoas procuram mais por assistência médica. O novo genótipo descoberto em Goiás no mês de maio está relacionado ao tipo 2 da dengue, segundo a SES.

De acordo com a Fiocruz, para os pesquisadores, a chegada dessa cepa ao Brasil preocupa, porque existe a possibilidade de ela se disseminar de forma mais eficiente do que a linhagem asiático-americana, também conhecida como genótipo 3 do sorotipo 2, que circula no país.

Ainda segundo a SES, para conter a disseminação da doença, é preciso eliminar depósitos de água parada, que podem se tornar criadouros do mosquito transmissor. Pesquisadores também chamam atenção para a importância de intensificar a vigilância genômica do agravo para mapear a possível circulação da linhagem cosmopolita e compreender melhor as rotas de introdução do vírus no país.