FolhaPress

Governo diz que não bancou ida de Carlos Bolsonaro à Rússia, mas não esclarece gastos

Resposta a pedido do STF não informa agenda do vereador naquele país

Governo diz que não bancou ida de Carlos Bolsonaro à Rússia, mas não esclarece gastos
Governo diz que não bancou ida de Carlos Bolsonaro à Rússia, mas não esclarece gastos (Foto: Caio César - CMRJ)

O governo de Jair Bolsonaro (PL) informou ao STF (Supremo Tribunal Federal) que não houve gastos com a ida do vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) à Rússia no mês passado. O filho do mandatário acompanhou a comitiva presidencial, ainda que não tenha cargo na gestão federal. A informação foi enviada nesta segunda-feira (14) ao ministro Alexandre de Moraes, relator do inquérito sobre a atuação de uma milícia digital voltada a ataques contra a democracia.

Não foi indicado, porém, como as despesas de transporte, hospedagem e consumo do vereador carioca foram custeadas. A viagem ocorreu entre os dias 14 e 17 de fevereiro.

A resposta ao magistrado constou de ofícios do Ministério das Relações Exteriores e da Secretaria-Geral da Presidência da República. Além de eventuais despesas e diárias, Moraes solicitou dados sobre a agenda de Carlos, que não foi detalhada. Houve indicação apenas dos compromissos de Bolsonaro.

O governo alegou que a agenda oficial e a escalação da comitiva presidencial nos atos de representação internacional do país “se revestem de característica política, diferindo-se do ato administrativo ordinário em razão de seu cunho exclusivamente discricionário”. O que motivou a solicitação de informações ordenada por Moraes foi um pedido do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), feito no âmbito do inquérito da milícia digital.

O parlamentar levantou suspeitas acerca da “verdadeira razão para uma viagem à Rússia em momento internacional tão delicado, com uma comitiva sui generis, com ausência de ministros e a presença de numerosos integrantes de seu ‘gabinete do ódio’, e no início do ano eleitoral”.

Termo usado para designar um grupo de assessores da Presidência com atuação forte nas redes sociais e investigados em inquéritos que tramitam no Supremo, o “gabinete do ódio” é tutelado por Carlos. A existência da estrutura foi revelada em 2019.

Em sua manifestação, a Secretaria-Geral da Presidência afirmou que Randolfe faz ilações ao questionar as razões da ida de Carlos e assessores da Presidência à Rússia. Afirma que o pedido do senador “levanta imputações aos agentes públicos, em decorrência de exercício regular de suas atribuições, sobre ações que supostamente consubstanciariam eventuais ilegalidades/irregularidades”.

Também faz uma defesa do próprio Bolsonaro: “Convém salientar que tanto no que concerne ao objeto de investigação inicial que justificou a instauração do presente inquérito quanto a partir da petição ora apresentada [de autoria de Randolfe], estamos autorizados a defender a insubsistência dos argumentos de que o presidente da República possa ter cometido qualquer irregularidade”.

A resposta foi assinada por Silton Batista Lima Bezerra, coordenador-geral de Assuntos Institucionais Subchefia para Assuntos Jurídicos da Secretaria-Geral da Presidência.