Homem acha mensagens no telefone da esposa e mata primo, em Cristalina (GO)

Apesar da confissão do homicídio, homem não ficou preso pois pagou fiança

Um homem se entregou para a Polícia Civil dizendo que havia matado o próprio primo à tiros, após uma discussão por ciúmes da esposa. O crime aconteceu no último sábado (7), no Distrito Marajó, proximo à cidade de Cristalina. Mas somente nesta segunda-feira (9) o sujeito compareceu espontaneamente na delegacia para confessar o homicídio. Ele foi preso, mas pagou fiança e voltou à liberdade.
Homem mata primo por ciúmes e se entrega para a polícia em Cristalina (Foto: Divulgação – PC)

Um homem se entregou para a Polícia Civil dizendo que havia matado o próprio primo a tiros. O crime aconteceu no último sábado (7), no Distrito Marajó, proximo à cidade de Cristalina. Mas somente nesta segunda-feira (9) o sujeito compareceu de forma espontânea à delegacia para confessar o homicídio. Ele foi preso, mas pagou fiança e voltou à liberdade.

De acordo com as investigações, durante o último sábado (7), a vítima encontrou uma troca de mensagens da esposa com o primo dele, no celular da mulher. A situação gerou discórdia entre os três, que começaram a discutir.

O suspeito estava armado com uma arma de fogo e, no momento em que a vítima tentou agredi-lo, o homem efetuou um disparo que atingiu o primo na altura do coração. A vítima morreu no local.

Homem mata primo e se entrega

Dois dias depois do crime, o suspeito foi espontaneamente até a delegacia de Cristalina. Lá, confessou que havia matado o primo e seus motivos. Entretanto, sempre que os policiais questionavam o suspeito a respeito da arma do crime, ele afirmava que havia jogado o revolver em uma mata fechada próxima ao local do homicídio.

Desconfiados, os policiais pediram autorização para realizar uma busca domiciliar. Na diligência, localizaram a arma de fogo dentro do porta-luvas do veículo do homem. A situação configura posse ilegal de arma de fogo.

Não ficou preso

Apesar da confissão do homicídio e do flagrante de posse ilegal de arma, o homem não ficou preso. Ele voltou a liberdade no mesmo dia, depois de pagar fiança.

De acordo com a polícia, como o crime aconteceu no sábado e o suspeito se entregou quando já não havia mais flagrante, não poderia ser preso por isso. Paralelo a isso, a legislação vigente permite o pagamento de fiança nos crimes de posse ilegal de arma de fogo.

As investigações continuam a cargo da Polícia Civil e tão logo o Inquérito Policial seja concluído e remetido ao Poder Judiciário.