Homem é atropelado e morto de propósito após briga em Supermercado de Caldas Novas

Crime aconteceu após uma discussão em um supermercado da cidade. Polícia Civil diz que se trata de homicídio doloso

Caldas Novas - Vítima foi atingida em alta velocidade ao tentar chegar a caminhonete. Briga teria motivado atropelamento proposital (Foto: reprodução)
Caldas Novas - Vítima foi atingida em alta velocidade ao tentar chegar a caminhonete. Briga teria motivado atropelamento proposital (Foto: reprodução)

Um homem foi preso após atropelar de propósito e matar outro homem, em Caldas Novas. O crime aconteceu na noite de sexta-feira (29), após uma briga ocorrida em um caixa de supermercado no Setor Primavera. Ele será indicado por homicídio doloso, ou seja, com intenção de matar.

Segundo informações da Polícia Civil, o autor teve uma discussão com Paulo Resio Alves, de 54 anos, dentro do estabelecimento. O homem, então, sai do supermercado, manobra o veículo e fica aguardando a saída da vítima.

Assim que viu Paulo sair, o homem acelerou o carro até atingir alta velocidade e o atropelou. Após o crime, ele fugiu do local.

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionado para fazer o salvamento. Os paramédicos tentaram reanimar Paulo por mais de 40 minutos. No entanto, não obtiveram sucesso.

Prisão

A Polícia Militar fez buscas pela cidade e acabou encontrando a autor, já em outro carro. No entanto, a chave ainda estava no bolso dele. O homem ainda indicou à polícia onde escondeu o veículo usado no crime.

O delegado Tiago Fraga, responsável pelo caso, diz que o autor ficou calado durante o depoimento. A esposa dele relatou que houve a discussão. No entanto, ela afirmou que estava muito nervosa com a situação e acabou desmaiando durante o ocorrido. A mulher está grávida.

“A Polícia Civil entende que houve homicídio doloso. Pois o autor tinha a consciência de como causar a morte da vítima, dirigiu sua ação para realizar esse desejo de matar. Ou seja, usou seu carro como uma arma, instrumento do crime, para atingir a vítima causando sua morte”, diz o delegado.

Tiago Fraga ainda sustenta que foi um crime qualificado, com emprego de recurso que impossibilitou a defesa da vítima. O autor foi preso em flagrante.