Homem é condenado por fingir assalto e matar a própria mãe, que dormia, em São Patrício (GO)

Homem ainda foi ao velório da vítima, depois de matá-la

A Justiça de Goiás condenou por feminicídio um homem de 43 anos que fingiu um assalto para matar a própria mãe, Laura Pereira de Oliveira, esfaqueada enquanto ela dormia. O crime aconteceu em outubro de 2020, na cidade de São Patrício, no Centro de Goiás. O homem recebeu sentença de 24 anos de prisão a ser cumprida em regime fechado, mas a decisão cabe recurso.
Homem é condenado por fingir assalto e matar a própria mãe enquanto ela dormia em São Patrício (Foto ilustrativa: Reprodução - FreePik)

A Justiça de Goiás condenou por feminicídio um homem de 43 anos que fingiu um assalto para matar a própria mãe, Laura Pereira de Oliveira, esfaqueada enquanto ela dormia. O crime aconteceu em outubro de 2020, na cidade de São Patrício, no Centro de Goiás. O homem recebeu sentença de 24 anos de prisão a ser cumprida em regime fechado, mas à decisão cabe recurso.

A decisão é da juíza Marina Cardoso Buchdid, publicada nesta quinta-feira (26). O Mais Goiás não localizou a defesa do homem para se manifestar sobre a decisão até a última publicação desta reportagem.

“O réu atuou com vontade livre e própria, possuía plena consciência da ilicitude de seu ato e, ainda assim, golpeou o peito da vítima, sua própria genitora, que não teve possibilidade de se defender, estava dormindo”, disse a juíza.

Condenado por matar a própria mãe foi ao velório dela depois do crime

O crime ocorreu no dia 10 de outubro, em São Patrício. Na época, o delegado Matheus Melo, responsável pela prisão, detalhou que o homem agiu de modo a não levantar suspeitas e, inclusive, foi ao velório da mãe. Isso porque, inicialmente, não se sabia a identidade do autor do crime.

À Polícia Civil, o homem chegou a dizer que cometeu o crime porque a mãe – que tinha mais de 70 anos – reclamava da hora em que ele costumava chegar em casa.

“Ele fala que teve uma discussão com a mãe em razão de ter chegado tarde na casa. Esse é o motivo alegado por ele, mas os familiares alegam que seria por causa de dinheiro”, declarou o delegado na época.

Um outro homem chegou a ser detido horas depois do crime, por ter sido apontado como o responsável pelo falso assalto. Porém, como não havia elementos que comprovassem a atuação dele no crime, o sujeito apenas foi ouvido e liberado.