Homem mata esposa grávida, enteada de 2 anos e fazendeiro em Corumbá de Goiás

Segundo a Polícia Civil, a enteada de um ano e 8 meses e a companheira que estava grávida de quatro meses foram degoladas

Crimes em Corumbá: helicóptero da polícia procura suspeito em Abadiânia
Crimes em Corumbá: helicóptero da polícia procura suspeito em Abadiânia (Foto: Reprodução/Facebook)

Um homem é suspeito de assassinar três pessoas na zona rural de Corumbá de Goiás, O crime aconteceu na noite deste domingo (28). Uma criança de 1 ano e 8 meses, enteada do suposto autor, está entre as vítimas fatais.

A menina e a companheira do homem de 21 anos, que estava grávida, foram degoladas. Dono de uma propriedade vizinha foi morto com um tiro na cabeça. Mulher dele, única sobrevivente, foi baleada no ombro e denunciou os crimes. O suspeito está foragido.

Grávida e enteada foram mortas antes do fazendeiro

De acordo com a Polícia Civil, Wanderson Mota Protácio é o principal suspeito do crime. Ele teria degolado a companheira Ranielle Aranha, grávida de quatro meses, e degolado a enteada, na sequência.

Depois, Wanderson teria ido a uma uma propriedade vizinha da região onde teria matado o fazendeiro Roberto Clemente de Matos, de 70 anos com um tiro na cabeça.

Segundo Cristina Nascimento, esposa da vítima, o homem bebeu um copo de refrigerante antes de balear o marido. Depois, ele teria tentado estuprar a mulher, que conseguiu correr, mas foi atingida por um disparo no ombro.

De acordo com a proprietária rural, ela só sobreviveu porque se fingiu de morta até que o suspeito fugisse do local. Mesmo ferida, Cristina caminhou até uma fazenda vizinha onde conseguiu chamar por socorro. Wanderson, segundo ela, era conhecido da família.

O autor fugiu do local levando uma caminhonete, a qual foi abandonada posteriormente em uma rodovia da região.

Suspeito está foragido e já tinha ficha criminal por homicídio de companheira

A Polícia Civil investiga o caso e Wanderson Mota segue foragido. Ele é procurado pelas forças de segurança do estado.

Em 2019, ele havia sido preso suspeito de matar outra companheira a facadas.

Os corpos das vítimas foram levados ao Instituto Médico Legal (IML) de Anápolis.