Hospital Albert Einstein vai gerenciar o HMAP, em Aparecida

Ainda há prazo de uma semana para recurso. O resultado final deve ser divulgado na semana que vem

Hospital Albert Einstein ganha certame para gerir Hospital Municipal de Aparecida de Goiânia
Hospital Albert Einstein ganha certame para gerir Hospital Municipal de Aparecida de Goiânia (Foto: IBGH - Divulgação)

A Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Hospital Albert Einstein venceu o certame realizado na manhã de segunda-feira (24) para escolha da instituição para a operacionalização e execução das ações e serviços de saúde do Hospital Municipal de Aparecida de Goiânia (HMAP). Ainda há prazo de uma semana para recurso. O resultado final deve ser divulgado na semana que vem.

Na ocasião, a Comissão de Licitação do Município de Aparecida de Goiânia de posse do Parecer da Subcomissão de Seleção de Organização Social e de Incorporação de Novas Tecnologias em Saúde constatou que não houve ressalvas quanto ao julgamento de habilitação, sendo procedida a avaliação e classificação final das propostas de trabalho e solicitada a conclusão do processo de seleção.

Além do Hospital Albert Einstein, concorreram Associação de Gestão, Inovação e Resultados em Saúde (Agir), o Instituto Nacional de Tecnologia e Saúde (INTS), o Instituto ACQUA Ação, Cidadania, Qualidade Urbana e Ambiental, Instituto Saúde e Cidadania (Isac), Instituto Social Mais Saúde, Instituto Haver, o Instituto Nacional de Desenvolvimento (INDSH) Social e Humano e o Ação Brasil Gestão Pública.

IBGH foi alvo de investigação na gestão do HMAP

A escolha do Hospital Albert Einstein determina o fim da gestão do Instituto Brasileiro de Gestão Hospitalar (IBGH) na administração do HMAP. A instituição gere a unidade de saúde desde 19 de dezembro de 2018.

O instituto foi alvo de investigação pela Delegacia Estadual de Combate à Corrupção (Deccor) em setembro de 2021 sobre suposto desvio de recursos públicos da área da saúde em 2020 durante a pandemia da Covid-19.

Segundo a Polícia Civil, há indícios de desvios de cerca de R$ 6 milhões destinados a compra de materiais e insumos hospitalares destinados principalmente ao combate da pandemia através de emissão de notas fiscais falsas pelas empresas de fachada para justificar o recebimento de recursos públicos.

Instituto diz ter colaborado com investigações

Na ocasião, a organização social diz que, com intuito de colaborar com a investigação e atender a ordem judicial, “decidiu juntamente com a equipe da PC e da Perícia Técnica promover o bloqueio de todos os colaboradores ao sistema SharePoint até o dia 20/09/2021 às 07:59, sendo disponibilizado acesso exclusivo à equipe da Perícia Técnica para executar a referida ordem”.

“Após as 08:00 do dia 20/09/2021 será retornado o acesso a todos os usuários do SharePoint apenas para leitura dos documentos, ficando restringido a inclusão ou exclusão de quaisquer dados do banco de dados sob pena de responsabilidade do usuário que promover tal alteração.” O IBGH afirma “que sempre atuou de forma transparente e com a observância de todos os princípios legais em vigor em nosso ordenamento jurídico”.