Idosa que morreu no Hugo não sofreu asfixia nem lesão externa, aponta Polícia

O laudo contradiz funcionários, que afirmam ter visto o suposto autor asfixiando a vítima

A idosa de 75 anos, que morreu no Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo), não sofreu asfixia, nem lesão externa. É o que aponta a Polícia Civil, após acesso ao resultado preliminar do laudo cadavérico. O caso, tratado como homicídio, ocorreu na última quinta-feira (7) e um homem foi preso suspeito do crime. O laudo contradiz funcionários, que afirmam ter visto o suposto autor asfixiando a vítima. A perícia, no entanto, não constatou elementos que indicassem morte por esse motivo.

De acordo com a Polícia, um laudo complementar deve esclarecer a causa da morte da paciente. A corporação vai ouvir dois funcionários do Hugo como testemunhas do ocorrido.

Segundo a corporação, o suposto autor não possui relação com a vítima. Em interrogatório, ele negou ter tido intenção de matar a idosa.

O delegado Rhaniel Almeida, da Delegacia de Investigação de Homicídios (DIH) fará, na manhã desta segunda (11), coletiva de imprensa para dar mais detalhes acerca da apuração do caso.

Versões

Funcionários do local afirmaram à Polícia Militar (PM) terem visto o suspeito entrando no quarto. Segundo m motivo aparente, ele teria asfixiado a idosa que estava internada em um leito de enfermaria.

O suspeito, no entanto, nega o crime e diz que tentava limpar a traqueostomia, quando, sem intenção, o dedo tapou o equipamento e a idosa ficou sem respirar.

Leia mais:

Idosa é assassina dentro do Hospital de Urgências de Goiânia; autor foi preso

Suspeito de matar idosa em hospital de Goiânia diz que tentava limpar a traqueostomia da vítima

Idosa morta dentro do Hugo havia acabado de sair do coma, diz família

“Foi a pior notícia do mundo”, diz família de idosa morta no Hugo

Sobrinha de idosa morta no Hugo nega que hospital tenha prestado assistência à família

Hugo promete revisar medidas de segurança após possível homicídio de idosa