Imposto sobre importação cilindros de oxigênio voltou a valer dias antes do colapso em Manaus

Produtos estavam isentos de tributação desde o início do de 2020

Imposto sobre importação cilindros de oxigênio voltou a valer dias antes do colapso em Manaus
Imposto sobre importação cilindros de oxigênio voltou a valer dias antes do colapso em Manaus

Segundo informações da BandNews FM, o governo federal voltar a incluir o imposto de importação sobre cilindros para armazenamento de gases medicinais dias antes do colapso em Manaus. Os produtos estavam isentos de tributação desde o início do de 2020, quando começou a pandemia do novo coronavírus.

À época, a ação fez parte de um pacote do Ministério da Economia. Contudo, uma resolução publicada pela Câmara de Comércio Exterior reincluiu a tributação. A tributação varia de 14% a 16% (depende da capacidade do cilindro).

A maioria dos produtos vem do exterior. Com isso, diversos importadores tem deixado de trazer os cilindros, o que afeta o armazenamento de oxigênio e outros gases.

Segundo uma fonte da BandNews, o preço, que já estava alto por causa do dólar (R$ 5,29, às 16h23 desta sexta, 15), aumentou: passou de R$ 1.000 para R$ 1,6 mil. Este entrevistado, que trabalha no segmento, afirmou que a importação ficou praticamente inviável.

Posicionamento

Por meio de nota à rádio, o Comitê Executivo de Gestão (Gecex) da Câmara de Comércio Exterior (Camex) informou que, sobre reduções tarifárias para auxiliar no combate à Covid-19, delibera com base nas recomendações do Ministério da Saúde, mas os cilindros de oxigênio não foram incluídos em uma lista de itens essenciais para o combate à pandemia de covid-19.

A resolução foi publicada em dezembro do ano passado.