FolhaPress

Inflação é a maior para janeiro desde 2016 e vai a 10,38% em 12 meses

IPCA teve variação de 0,54% no primeiro mês de 2022, diz IBGE

Inflação estoura a meta e fecha 2021 em 10,06%, maior alta desde 2015
Inflação é a maior para janeiro desde 2016 e vai a 10,38% em 12 meses (Foto: Agência Brasil)

A inflação oficial do Brasil, medida pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), começou 2022 com alta de 0,54% em janeiro, informou nesta quarta-feira (9) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Foi o maior resultado para o mês desde 2016 (1,27%).

A variação veio em linha com as expectativas do mercado financeiro. Analistas consultados pela agência Bloomberg projetavam taxa de 0,55%.

O resultado sinaliza uma desaceleração frente a dezembro de 2021, quando o avanço havia sido de 0,73%.

Mesmo assim, o IPCA segue em dois dígitos no acumulado de 12 meses. A alta até janeiro chegou a 10,38%. O acumulado até dezembro era de 10,06%.

Isso significa que o índice está distante da meta de inflação perseguida pelo BC (Banco Central) em 2022. O centro da medida de referência neste ano é de 3,50%. O teto é de 5%.

De acordo com analistas, o IPCA deve voltar a estourar a meta em 2022. Se a estimativa for confirmada, será o segundo ano consecutivo de descumprimento.

Para tentar conter a inflação, o BC vem subindo a taxa básica de juros, que alcançou 10,75% na semana passada.

O efeito colateral da Selic mais alta é inibir investimentos produtivos na economia, já que as linhas de crédito ficam mais caras no país. A redução de investimentos ameaça a geração de empregos e a retomada econômica.

Combinação de fatores

Segundo analistas, a inflação de dois dígitos no acumulado de 12 meses reflete uma combinação de fatores vistos na pandemia.

Ao longo da crise, houve aumento dos preços administrados, como combustíveis e energia elétrica, carestia de alimentos e persistente ruptura da cadeia global de insumos industriais.

No Brasil, o dólar mais alto foi um componente adicional, já que intensificou a pressão inflacionária. O câmbio, que impacta itens como combustíveis, subiu em meio à turbulência política protagonizada pelo governo Jair Bolsonaro (PL).

O avanço generalizado dos preços castiga sobretudo os mais pobres, que têm menos condições financeiras para enfrentar a carestia. Em meio a esse contexto, o Brasil passou a registrar uma sucessão de cenas de grupos em busca de doações e até de restos de comida para alimentação.

O mercado financeiro projeta inflação de 5,44% no acumulado até dezembro de 2022, aponta a edição mais recente do boletim Focus, do BC. Essa estimativa vem sendo revisada para cima nas últimas semanas diante dos riscos que permanecem no cenário.

Entre as ameaças ao controle inflacionário estão as incertezas da corrida eleitoral, que costumam impactar a taxa de câmbio, e a pressão do petróleo, que gera efeitos sobre os combustíveis no país.

Há, ainda, o temor com os eventuais reflexos do clima adverso. A seca na região Sul, por exemplo, pode gerar novos avanços nos preços dos alimentos.