Ipasgo retoma atendimento integral a usuários

Decisão foi anunciada 16 dias após corte de 50% nas cotas de atendimentos eletivos e contempla consultas, exames e cirurgias

O Ipasgo anunciou a retomada do atendimento integral aos usuários do plano de saúde, após cortes de 50% nos atendimentos eletivos. (Foto: divulgação/Governo de Goiás)
O Ipasgo anunciou a retomada do atendimento integral aos usuários do plano de saúde, após cortes de 50% nos atendimentos eletivos. (Foto: divulgação/Governo de Goiás)

O Instituto de Assistência dos Servidores Públicos de Goiás (Ipasgo) anunciou a retomada do atendimento integral aos usuários do plano de saúde. O comunicado foi feito na quarta-feira (22), 16 dias após corte de 50% nas cotas de atendimentos eletivos. Decisão contempla exames, consultas e cirurgias eletivas.

A retomada dos atendimentos foi discutida em reunião entre o presidente interino do plano assistencial, Ismael Alexandrino, e o Conselho Deliberativo do Ipasgo (CDI). A medida ocorre após o governador Ronaldo Caiado (DEM) determinar auditoria em todas as faturas apresentadas pela rede credenciada.

Relembre os cortes do Ipasgo

Os cortes de 50% nos atendimentos foram anunciados no dia 6 de setembro. Três dias depois, associações e sindicatos de hospitais e laboratórios de Goiás publicaram nota em que afirmavam que a medida comprometeria a assistência de mais de 600 mil usuários.

“A decisão não levou em conta os tratamentos que ficaram represados durante a pandemia, suspensos pelo próprio instituto. Na prática, isso significa que a assistência aos usuários será severamente comprometida, já que, em razão da demanda represada e da redução de cotas, a rede assistencial não terá condições de realizar exames, procedimentos médicos e cirurgias não emergenciais, mas de intervenção imprescindível”, alegaram as entidades.

Na última segunda-feira (20), o governador Ronaldo Caiado determinou auditoria nas faturas da rede credenciada após os gastos previstos em 2021 estimarem um aumento de 29,8% em relação a 2020, com custo de pouco mais de R$ 1,7 bilhão. Na ocasião, ele garantiu que os usuários não teriam o atendimento comprometido.