Juiz revoga a própria decisão que anulava votos do Cidadania em Goiânia

"Declino da competência e determino a remessa destes autos ao Juízo da 146 ZE (Zona Eleitoral) e como corolário torno sem efeito nossa decisão liminar, para que o Juízo competente analise", entendeu o magistrado Wild Afonso

Juiz revoga decisão que anulava votos do Cidadania
Juiz revoga decisão que anulava votos do Cidadania

O juiz Wild Afonso Ogawa, da 127ª Zona Eleitoral de Goiânia, revogou a decisão liminar que anulou os votos do Cidadania, no último sábado (21), sob argumento de descumprimento da cota mínima de 30% para candidatas mulheres. “Declino da competência e determino a remessa destes autos ao Juízo da 146 ZE (Zona Eleitoral) e como corolário torno sem efeito nossa decisão liminar, para que o Juízo competente analise”, entendeu o magistrado.

Desta forma, caberá a 146ª Zona Eleitoral analisar a questão proposta pelo partido PROS. Com a decisão anterior, vale lembrar, o único vereador eleito pela sigla, Marlon dos Santos, teve o diploma suspenso e não poderia assumir o cargo na Câmara Municipal da capital, em 2021, se não fosse revertida a decisão. O presidente municipal do Cidadania e candidato derrotado a prefeito Virmondes Cruvinel já tinha dito que o partido iria recorrer.

Na segunda-feira (23), Marlon afirmou que era vítima de ataques da velha política, que queria impedi-lo de assumir o mandato. “Fui democraticamente eleito com votos em toda a Goiânia. Estão tentando tirar o nosso sonho de ajudar o próximo”, disse no vídeo e complementou em nota: “Estão querendo vencer no ‘tapetão’.”

O Mais Goiás também entrou em contato com assessoria do Cidadania para comentar a decisão. Por nota, o partido informou que “segue com tranquilidade aguardando o desdobramento do processo e confiante de que a justiça eleitoral reconhecerá que o partido agiu com total lisura”.

Leia mais:

Entenda a cota de 30% para mulheres que pode tirar mandato de vereador em Goiânia